Com carinho e com café


(José Nunes)

Há quarenta anos, quando Nathanael Aves abriu as portas de sua biblioteca ao meu acolhimento, ali conheci Gonzaga Rodrigues. Este mesmo Gonzaga que não me deixou órfão quando Nathanael teve a porteira de sua vida fechada.

As quatro décadas têm sido um período de aprendizado e confidências, pessoais e literárias. Desde a aproximação aos livros, na alvorada da vida, somente escutando e aprendendo, recolhi o que o espírito permitia como iluminativo e trato afetuoso.

O lançamento do livro “Notas do meu lugar”, em 1978, foi canto mavioso que ele entoou por mim, filho do mesmo barro e habitante das paisagens onde o orvalho da aurora com dourados raios nos asperge todos os dias do ano.

Igual contentamento foi quando publicou em 2003 o “Café Alvear”, agora relançado em segunda edição, prêmio e consolo aos leitores que ainda não desfrutaram do passeio exótico pela cidade que proporciona, desde o tempo quando ainda o melão de são caetano que infestava os quintais, com a paisagem bucólica onde repousavam os olhares de antigos índios e senhores das terras.

Desde sua estreia como cronista, em maio de 1954, se constituiu no maior representante deste gênero literário na Paraíba, sendo apenas daqui porque não quis ser do Brasil.

Suas crônicas atiçam o prazer da leitura, seja na pressa do jornal ou em livro, como estas de agora, também nos comovem.

Nestes anos de leitura e aprendizado, percebi que os caminhos da crônica são muitos, que às vezes nem sabemos para onde nos levam.

A crônica brota instantânea dentro de nós. Jorra de qualquer coisa em nosso redor. Pode surgir de uma palavra que se escutou ou de algo que germina silenciosamente enquanto nos deixamos flutuar o pensamento.

Muitas vezes pode sair de uma leitura, algo observado na rua, uma flor que desabrocha no jardim de casa. A cidade e a terra sendo seu espaço simbólico para os sonhos.

A professora Ângela Bezerra de Castro, cuja amizade eu ganhei como prêmio, entende que a crônica é uma forma sublime de literatura, que poucos conseguem atingir o grau maior. “A crônica é a poesia em prosa”, disse-nos, ao que aplicamos a Gonzaga.

Gonzaga segue o rastro de Rubens Braga quando capta a sutilidade das coisas em seu derredor, nos gestos das pessoas, tudo escrito num texto primoroso que dá um enorme prazer sua leitura.

Escrever crônica é como perfurar um poço numa terra árida com água salgado. Vai se cavando até se tornar num oásis.

O artista da palavra deve expressar o sentimento da humanidade, emprestar seu conhecer para mostrar o que não conseguimos com a escrita ou com o pincel.

A expressão maior deste cronista que tomou conta da cidade vem de Machado de Assis, talvez o modelo de cronista, a quem devota admiração. Acho que Gonzaga vai mais além porque tem o olhar para o social, exprimindo com fervor posições em favor do homem e da vida, ao contrário de Machado. Posições mantidas desde os tempos quando se entendeu como gente. No “Café Alvear” este olhar está apregoado, num olhar conciso que lembra Flaubert e Graciliano Ramos, que perdiam uma noite de sono a cata de uma palavra que justificasse o pensamento.

Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário