Cidade dos românticos



(Whashington Luís Fernandes Silva)

Em contraste de suas representações, como a bandeira e o próprio nome, me vêm no sentimento os encantos dos apaixonados. Seus flamboyants, os paus d'arcos, do Sol de Tambaú, da Lagoa, onde antes navegavam lindos gansos, tão bem desenhado na crônica de Carlos Romero, faz com que todos nós despertemos para pura vontade de amar. Ah como seria a vida dos seres contundentemente apaixonados sem a porta do sol, na mata verde, esperançosos por mais um dia e não sermos o Sol do extremo oriental?

Lindo o sabor configurado nestas paisagens, tornando a rotina um poema.

Somos restos de quimera, abraçando o crepúsculo no rio Sanhauá, como um pedido incessante dos enamorados para sua permanência e não se dissolver na cadência de Ravel.

Somos eternos apaixonados... esperando uma nova aurora para nos encantarmos em Tambaú e bater na porta do sol, para abrir sorrindo e balbuciar: BOM DIA JOÂO PESSOA!

(dedicado ao mestre do prelúdio da lua e dos sete mares, Germano Romero)

Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário