As Valas do Oitavo Círculo do Inferno


(Milton Marques)

O Oitavo Círculo do Inferno é dividido em 10 valas ou covas concêntricas, chamadas por Dante Alighieri de “Malebolge” (Canto XVIII, verso1), onde se encontram os fraudulentos. Em cada vala, são punidos os que cometeram crimes específicos – rufiões e sedutores ( Canto XVIII, vala 1), os aduladores, que enganam com falsas promessas (Canto XVIII, vala 2) ; os simoníacos (Canto XIX, vala 3), os magos e adivinhos (Canto XX, vala 4), os interceptadores, traficantes de influência que se aproveitam dos cargos públicos (Canto XXI e XXII, vala 5)...

No Canto XXI, onde se encontram os “barattieri”, os interceptadores de objetos, traficantes de influência, que tiram proveito dos cargos públicos que ocupam, Dante se refere à mudança de opinião em favor próprio, quando, em vida, o agora condenado, era movido pelo dinheiro:

“del no, per li denar, vi si fa ita”

“do não, por dinheiro, ali se faz sim” (verso 40)


O acompanhamento de Dante e Virgílio, ao longo da 5ª vala, por dez diabos, já nomeados no Canto XXI – Alichino, Calcabrina, Cagnazzo, Barbariccia, Libicocco, Draghinazzo, Cirïatto, Graffiacante, Farfarello e Rubicante (versos 118-123) – dá azo ao poeta florentino a fazer uma referência irônica a essa companhia, trazendo à tona um dito popular de muita verdade:

“Ahi fiera compagnia! ma ne la chiesa
coi santi, e in taverna coi ghiottoni.


Ai, fera companhia! mas na igreja
com os santos, na taberna com os glutões (Canto XXII, versos 14-15).


Todo esse Oitavo Círculo, onde se encontram os fraudulentos, nos mostra a atualidade do texto de Dante, a quinta vala, sobretudo, aplicando-se como uma luva ao Brasil. Veja-se, por exemplo, que os “barattieri” são os que se aproveita dos cargos públicos para a autolocupletação e que é impossível alguém se acompanhar frequentemente das mesmas pessoas e não adquirir os seus hábitos. Ou melhor, as pessoas buscam, frequentemente, as companhias daqueles com quem se afinam.

Do ponto de vista do ritmo, foi ótimo perceber que, com um decassílabo e meio, dá para formar, sem perda na tradução, um belo e harmonioso heptassílabo duplo, meio caminho andado para um epigrama:

Na igreja com os santos, na taverna com os glutões,
Sob a luz, honestidade; já nas trevas, uns ladrões.

Ah, estes condenados estão imersos em pez fervente. Dante dando ideia...


Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Um comentário:

Deixe o seu comentário