Marília Arnaud (Fragmentos de um Romance) “Por trás da lembrança mais devastadora da minha infância, daquela que lançou uma sombra sobr...

Suíte de Silêncios



Marília Arnaud
(Fragmentos de um Romance)

“Por trás da lembrança mais devastadora da minha infância, daquela que lançou uma sombra sobre o meu coração, fazendo com que ele nunca mais batesse no mesmo tom, escondem-se uma criança e algumas palavras. No rastro dessas, vieram outras, crianças e palavras, com pequenas variações, e olhares enviesados, silêncios e reticências.”

“Com a música, experimento um não sei quê de assombro. Não, é mais do que isso. Música me abre um rasgão no meio do peito. Papai me deu a música; mamãe, a saudade. Pai e mãe fazem doer; aprendi a gostar da dor. Então, fico quieta e ferida, toda ouvidos, descobrindo que a beleza às vezes faz sangrar.”

“Uma porta para o dia seguinte, para a manhã inimaginável não se abria, porque uma segunda-feira de dezembro se trancara por dentro e jogara a chave fora. Não se ousava bater à porta, nem sacudir a maçaneta, tampouco forçar uma janela ou abrir-lhe uma mínima fenda. Os prazeres, os mais breves, não tinham espaço no presente. E a vida fazia de conta que seguia em frente, sem seguir a parte nenhuma, conjugando-se no cativeiro do passado.”

“Então, você se fora, e eu me dava conta de que, enquanto vida houvesse, sempre se podia perder um pouco mais, sendo de todo inúteis os esforços para domar a dor. Adestrá-la, torná-la tolerável e até esquecida, porque outras perdas estavam a caminho, sem convite, nem cerimônia, todas pesadas, de lombo grosso, e vinham descabrestadas, soltando relinchos violentos, mostrando-se estéreis quaisquer estratégias para evitá-las.”

0 comentários:

Deixe o seu comentário