O Poeta e a Academia



(Milton Marques Júnior)

O poeta Augusto dos Anjos anda a merecer maior atenção dos paraibanos. Há algumas semanas, na principal livraria da cidade, não se encontrava e ainda não se encontra um único exemplar do Eu. Se a obra do poeta, sendo lida já é difícil, muito mais será se não o for. Às vésperas de fazer uma série de três conferências sobre a poesia de Augusto dos Anjos, não tenho como indicar uma edição. Some-se ao problema o fato de que só existe uma edição crítica da obra do poeta, datada de 1994, com texto fixado por Alexei Bueno, que, diga-se de passagem, não se tornou padrão para a publicação de novas edições. Como as edições críticas são sempre um processo, acredito que, possivelmente, seria hora de se pensar em nova lição filológica. Isto, no entanto, só seria possível se houvesse uma pesquisa continuada do assunto, o que não tenho notícia de que esteja acontecendo.

Falo desse assunto, de modo rápido e até superficial, em razão do espaço, com a esperança de que ele repercuta na anima e no animus daquele que venha vencer a eleição da próxima sexta-feira, dia 07, na Academia Paraibana de Letras, com justiça chamada Casa de Augusto dos Anjos, um dos maiores poetas brasileiros e do mundo.

Situada em uma geografia privilegiada, da Academia divisamos à direita as torres do Carmo; à esquerda, as torres da Catedral e à sua frente o belíssimo complexo arquitetônico do Cruzeiro e do São Francisco. Diante de tanta representação do divino e da verdadeira imortalidade, é hora de o novo acadêmico propor novas atitudes. A Academia já lhe proporcionou e aos demais a desejada imortalidade. É hora de perguntar-se a si e aos outros confrades, o que poderão fazer para retribuir tão grande honra a esta nobre Casa e, assim, conceder-lhe o selo da perpetuidade, como diria José Américo de Almeida.

Eu diria, para concluir, que a APL deveria abrir-se ao mundo externo, saindo de dentro de si mesma, revelando-se não uma entidade que abriga 40 imortais, mas uma instituição que atua na sociedade, com um trabalho que se reconheça como sócio-literário-cultural, destinado, por exemplo, a engradecer a memória e a obra de seu patrono, Augusto dos Anjos

Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário