Fé e encantamento lírico



Fé e encantamento lírico
(Fragmentos de um discurso - Ângela Bezerra de Castro)

Em minha visão particular, diria que Carlos Romero era o exemplo de um homem feliz. Soube amar e ser amado. Além de nortear a existência por princípios que deram sentido e densidade a todos os seus dias. Podia descobrir, no menor fato do cotidiano, um grande acontecimento e assim alimentar constantemente sua alegria de viver. Sem dúvida, encontrou “a paz do coração” que, segundo Platão, “é o paraíso dos homens”.

Desde que o conheci, admirei nele essa postura sábia diante da vida. Refletida sempre no rosto iluminado por um suave sorriso de acolhimento, a sintetizar o propósito maior da transcendência de ser, no minimalismo de cada gesto.

A crônica se ajustou, com toda propriedade, à peculiar visão de mundo de Carlos Romero. Esse gênero jornalístico que, pela qualidade estética da linguagem, se equiparou à criação literária foi sua tribuna, a linha de frente escolhida para a constante participação na cena histórica e cultural onde imprimiu sem nome de cidadão e de escritor.

Carlos acumulava, em sua história de vida, interesses culturais diversificados. Além da dedicação ao jornal, onde sedimentou seu traço narrativo e literário, empenhava-se na divulgação da música erudita, sua grande paixão. Foram atividades de que não se afastou durante toda a existência.

Lembrar nosso confrade, enfatizando a crônica, se impõe como uma opção natural, tanto que esse gênero está incorporado a sua identidade.

Embora a experiência de Magistrado ou de Professor lhe possibilitasse outras formas de expressão, a narrativa curta, de grande poder comunicativo apresentava as características compatíveis com seu projeto existencial. Projeto que o escritor parecia reiterar a cada palavra: “Estou preso à vida e olho meus companheiros”. Projeto que, através da fé e do encantamento lírico, buscava alcançar “o tempo presente, os homens presentes, a vida presente”.

Recorro aos versos de Drummond para dizer, com toda convicção, que nosso cronista de Deus e da Natureza, incluindo também a humana, escrevia por uma necessidade vital. Seria um equívoco imaginar que sua intensa participação na imprensa decorreu da longevidade. A ordem é exatamente inversa. Estar sempre ligado à vida em todos os seus desdobramentos foi o segredo de sua resistência, a força que alimentava sua energia extraordinária.

Buscando uma sistematização do que Carlos publicou, podemos dizer que sua obra se organiza a partir de três matrizes ou motivações. As crônicas de viagem, (subtítulo usado por ele) que compõem dois volumes. O Papa e a mulher nua e Viajar é sonhar acordado. As crônicas de ensinamentos, de divulgação da fé que lhe norteava a existência e a visão de mundo, também reunidas em dois volumes, cujos títulos definem, objetivamente, os conteúdos: Lições de viver e O Evangelho nosso de cada dia. Por fim, existem as crônicas motivadas pelas sugestões do cotidiano que são inesgotáveis. De modo que os temas se multiplicam, conforme a riqueza da percepção e da sensibilidade do eu.

Pertence a essa natureza A Dança do Tempo, primeiro volume publicado pelo autor que expõe o comprometimento lírico, como essência de seu trabalho. É ele quem diz: “Estas crônicas são pedaços de mim. Escrevia-as por necessidade íntima de comunicação ou confissão.”

Simplicidade, clareza e humor, diria que sobre estes pilares se erguem as construções líricas de Carlos Romero. Com a mesma leveza das nuvens que desenham alegorias nos céus do verão.

Drummond, o grande poeta, que o distinguiu com mensagens de apreço, estabeleceu em pólos complementares a qualidade alcançada pelo cronista paraibano: “acessibilidade da linguagem a serviço de um pensamento lúcido.”As duas faces da moeda, para o projeto cultural e ideológico de nosso homenageado. Refiro-me à ideologia do aprimoramento espiritual, sua inspiração de vida.

Desde as primeiras publicações, a opção estética pela linguagem coloquial fixava as bases para a construção do estilo que iria caracterizá-lo. Lembrando sua formação jurídica e a prática no exercício da Magistratura, onde a rigidez formal é a regra, surpreende o nível de despojamento que atinge na expressão literária. Um exemplo bem convincente de quanto a marca distintiva do escritor exige consciência e trabalho.Com um tanto de vocação.

Carlos faz do coloquial e da oralidade recursos de aproximação e de convencimento. Transforma o leitor em interlocutor, com tanta espontaneidade que, às vezes, esquecemos o real da leitura e temos a sensação de viva voz, no apelo de seu vocativo. Se a crônica é de viagem, somos de tal forma envolvidos pelo movimento da descrição, pelo detalhamento do relato, que embarcamos com ele no percurso imaginário. E as realidades sentidas só com o imaginar parecem mais nossas do que a própria vida.

É esse o poder do escritor. Um poder demiúrgico. De encantamento através da palavra, sua ferramenta de magia. Capaz de criar realidades maiores que as da vida, como ensinava Juarez da Gama Batista, meu mestre imortal.

Outro recurso que se destaca, no estilo de nosso confrade, é a recorrência a elementos da natureza, tratados com tanta familiaridade, com tanta intimidade que são personificados, ganham alma e sentimentos nesse universo lírico. Assim, o mar espera por ele, reclama de sua ausência; para provocá-lo, o vento brinca com a folha de papel onde ele escreve; o sol vem visitá-lo, entrando sem pedir licença.

E que dizer das exuberantes castanholas que o encantavam? E do Flamboyant, com seu sorriso vermelho, que recebe ternuras de filho? Uma construção retórica tão intencional que o cronista chega a invocar Augusto dos Anjos em seu favor. Censura o pai e dá razão ao filho, personagens do Soneto A Árvore da Serra, como forma de reiterar a ideia de que as árvores tem alma.

Este é outro aspecto da originalidade e de Carlos Romero. Em vez da citação formal, índice de sapiência, a inclusão de seus poetas preferidos no desenvolver da crônica, com a informalidade da convivência mais natural. Drummond chega mesmo a sofrer reparo por falar na tristeza de Deus. Esse recorrente e criativo dialogo inclui poetas como Bilac, Jomar, Vicente de Carvalho, Perilo, Sérgio, Bandeira e outros mais com quem o cronista se identificava no compartilhamento de sua experiência de escritor.
Uma parte bastante significativa da produção literária do nosso homenageado tematiza o Evangelho, sem que se possa verificar qualquer mudança no estilo. Até podemos supor que a simplicidade e a clareza foram opções direcionadas a tornar possível o projeto maior do escritor: fazer a palavra de Jesus acessível ao cotidiano mais prosaico, através de sua crônica.

E aqui é necessário um esclarecimento. Simplicidade e clareza não são sinônimos de facilidade. São valores elevados, difíceis de alcançar porque pressupõem a depuração, a lapidação que descobre o mais precioso, o essencial.

Carlos vê e revê a realidade através do Evangelho. Não ratifica uma concepção conformista, pois quer fazer pensar. E se vale de um recurso socrático. Pergunta para inquietar. Na expectativa de que a reflexão possa levar à verdade.

- Por que não se fala em prostituto, somente em prostituta?
- Como acreditar que Deus criaria a mulher a partir de uma costela?
- Por que a preferência pelo Jesus crucificado, em vez do Jesus das criancinhas e dos lírios do campo?

Perguntas dessa natureza que implicam a contestação e a crítica de mitos e preconceitos.
Este é Carlos Romero, o confrade que hoje reverenciamos.

Imortal pelo exemplo de viver em absoluta coerência com suas convicções. Pela intensa participação na realidade cultural de seu tempo. E pelo estilo criado para a crônica, como expressão de sua individualidade e visão de mundo.

(Fragmentos do discurso da Profª Ângela Bezerra de Castro em homenagem póstuma da Academia Paraibana de Letras ao acadêmico Carlos Romero)



Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário