Olhos pra tudo

Os pardais são encontradiços em toda parte. Muito mais do que os japoneses. Você sabia quem importou os pardais para o nosso país? Foi um prefeito do Rio de Janeiro, que tinha o sobrenome de Passos, que lembra pássaros. Pois bem, os pardais se aclimataram aqui que foi uma beleza. Eu não sei a razão desse bom acolhimento aos pardais, já que são feios, não cantam e gostam de brigar uns com os outros. Todavia, pensando bem, eles, afinal, são pássaros, e pássaros voam. E tudo que voa é bonito, a começar pelo urubu. É lindo vê-lo fazendo evoluções num céu tranquilo de verão, longe da carniça cá em baixo. Ninguém melhor do que ele sabe transcender.

Mas deixemos o urubu e voltemos aos pardais, que sentem uma inveja danada dos bem-te-vis. Estes também são dignos de nossa admiração. Adoro ouvi-los, manhã cedo, num maravilhoso diálogo, uns com os outros. Eis um pássaro de minha predileção. E como são bonitos!

O bem-te-vi, se não me engano, é brasileiro. Nunca o vi nas terras que visitei. Portanto, saudemos aqui esse belo e madrugador pássaro, que me acorda, todas as manhãs, para as minhas caminhadas à beira-mar. E lamento muito aqueles que não prestam a atenção ao seu canto otimista. Sim, o bem-te-vi é todo alegria, e percebo um certo humor no seu canto, uma espécie de mangação. Vou já, já consultar o botânico Heretiano Zenaide, expert em aves. O bem-te-vi será mesmo brasileiro?

Mas eu comecei a crônica falando sobre pardais. Feiinhos e adoram tomar banho de terra seca. Que gosto... Afinal, por que iniciei escrevendo sobre os pardais? Ah, leitor, pois não é que eles abundam em Paris? Numa lanchonete, perto do hotel onde costumamos ficar, no Quartier Latin, eles participam de nossa refeição matinal. Não chegam a pousar em nossas mesas, mas ficam aguardando um miolo do nosso croissant. E olhe que ninguém tem coragem de enxotá-los.

E sabe onde fui encontrá-los, também? Você não imagina, leitor. Encontrei-os, na sala de refeição, por sinal ao ar livre, num hotel de Marrakesh, lá nos Marrocos, onde fomos bater, recentemente. E aqui para nós, a dona do hotel, uma simpática muçulmana, só fazia sorrir vendo os pardais muçulmanos comendo nas mesas do terraço após as nossas refeições.

E quer saber de uma coisa? O pardal é feio, não canta, mas é uma ave muito solidária e adora conviver com os homens. Estes jamais farão um pardal. Só Deus. E se a Inteligência Suprema os criou é porque o pardal é necessário.

A verdade é que eles estão em toda parte. São grandes turistas. E isto, talvez, provoque inveja aos bem-te-vis, pássaros belos, embora ariscos e desconfiados. E encerro esta crônica com uma pergunta: você, que é muito viajado, já observou os pardais lá fora? Decerto, não. Isto fica para esses cronistas, que têm olhos para tudo.
O AUTOR
Carlos Romero é escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras e tem a crônica como forma literária favorita. Um estilo no qual retrata com forte dose de lirismo e humor suas sensíveis observações acerca do cotidiano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário