O gelo, o fogo e Luxemburgo

Como já disse em crônicas anteriores, sou um homem do calor e corro do frio como o diabo da cruz. Dizem que o inferno é quente. Nada de sorvete, como aquele que eu, há dias, saboreei no aeroporto de Lisboa.

Para você aquilatar como eu gosto do calor, basta lhe confessar que tomo banho com água quase fervendo.

Pelo meu gosto, nas minhas viagens internacionais, só visitaria as cidades no verão. Sou um nordestino autêntico. Mil vezes Patos, do nosso Nordeste, a Londres. Mas por isso não vamos deixar de visitar as cidades geladas, como esta Luxemburgo que Germano, capitão da nossa equipe, colocou em nosso itinerário. Confesso que bati os lábios de frio. Tive vontade de sair correndo do gelo á procura da brasa. O diabo é que nem acreditei quando o motorista de táxi informou que no verão faz mais calor do que aqui, na nossa capital. Confesso que não acreditei...

Aqui para nós, eu nunca vi cidade tão bela, de gente tão educada, tão limpa, cheia de silêncio. Sim, nada de buzinada de automóveis, muito menos, carro de som.

Luxemburgo é um luxo de cidade. Pena que eu seja um friorento e estávamos em pleno inverno. Cidade de gente elegante, fina, e bonita. Mas, quanto a isso, minha João Pessoa, a turística Jampa, com suas praias, sua bela vegetação, seu mar, não deve nada às cidades da Europa. Se não fosse a poluição sonora...

Deixo Luxemburgo, apesar de bela, sem desejo de voltar. Pelo menos no inverno. Mas o nosso grupo turístico já está inventando um novo passeio à Nova Zelândia, que espero não seja numa estação fria. O cronista que se cuide.

E termino com uma confissão: sou um homem friorento, nascido em Alagoa Nova, que para aliviar o frio, recorre à cachaça, não é, meu amigo confrade e conterrâneo, Wills Leal?
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário