Por falar em cemitério...

Ontem, foi Dia dos Mortos, em homenagem aos que, para muita gente, se encontram em posição horizontal, até que tudo vire pó. Há, ainda, quem ache que somos apenas restos mortais, para gáudio dos vermes. E, assim mesmo, vão, com suas velinhas, seu choro e suas orações, prestar homenagem aos que se foram desta vida... Se foram não, pois, para a maioria dos vivos, os mortos continuam vivos, embaixo da terra.

O grande compositor francês, Saint-Saëns, compôs uma curiosa e genial composição a que ele deu o nome de Dança Macabra. Segundo a música, quando dá meia-noite, os mortos saem de suas catacumbas e vão dançar, até que surge a madrugada, os mortos saem, espavoridos, correndo de volta às suas covas. A composição do compositor francês é uma maravilha de criatividade. “Dança Macabra”, não esqueça de ouvi-la.

No Hamlet, do nosso Shakespeare, um personagem pergunta: “Cadê Polônio?” Sabe qual foi a resposta que lhe deram? Ele está num banquete, onde não come, mas é comido. “Ele referia-se ao cemitério”.

Nós não vamos a cemitério porque sabemos que os nossos, erroneamente, chamados mortos, não estão mais ali.

O filósofo tibetano, Milarepa, construiu sua casa vizinha ao cemitério para não perder de vista a fugacidade e a precariedade da vida.

E vale um lembrete: Os nossos entes queridos não estão debaixo da terra, e sim, cada vez mais vivos. Oremos para eles sempre, e não apenas no chamado Dia de Finados.

Mas, visitar um cemitério para reflexões, não é mau. Houve tempo em que eu, toda vez que ia a Paris, fazia uma visitinha turística ao famoso cemitério Père Lachaise, onde estão sepultados mortos ilustres, inclusive Chopin. E não esquecer Allan Kardec, o Codificador do Espiritismo, em cujo túmulo se lê este belo epitáfio: “Nascer, morrer, renascer ainda, progredir sempre, tal é a lei”.

Acontece que, numa dessas visitas, demoramos mais. Aí começamos a ouvir o grito dos corvos. Escurecia, e nós, com um certo medo, fomos saindo. Mas, nos perdemos. Mais à frente, encontramos o vigia do cemitério, a quem indagamos sobre a saída, e ele, com muito humor, disse: “Ici, celui qui entre ne peut pas sortir”. (Aqui, aquele que entra não pode mais sair).

Aqui para nós, o túmulo de Kardec, no Père Lachaise, é uma lição de vida. Veja o que está, ali, escrito: “Nascer, viver, renascer ainda, progredir sempre, tal é a lei”. Um resumo de nossa viva.

Mas, o importante não é apenas viver, mas conviver. Conviver com o próximo. Lembre-se que o outro é o nosso teste. Daí grande máxima da Doutrina Espirita: “Fora da caridade não há salvação”.

Agora me lembro, no Cemitério da Boa Sentença, quando fiz uma oração junto ao túmulo de meu pai e terminei dizendo: Adeus, papai, até breve”, O governador Pedro Gondim, presente, não se conteve: “Mas que religião é esta que lhe dá tanto conforto?”...

Dia de finados... Dia dos Mortos... Isto já era. Fica a pergunta: você já imaginou o que sente um espírito querido vendo você chorando no seu túmulo? Acho que o desejo dele é dizer: “Sai daí, seu bobo, estou mais vivo do que você”
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário