Dureza e beleza da pedra

Afinal, o que foi que Jesus disse a Pedro: “Tu és pedra e sobre esta pedra edificarei minha igreja. “Pedra aí como expressão de dureza, de força, de solidez, de perseverança. A pedra só se sente humilhada com aquele ditado: “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”. E viva a água, cuja escassez está se tornando um problema mundial.

Vamos adiante. O poeta Carlos Drummond de Andrade escreveu um poema que aborreceu e intrigou muita gente. Afinal o que desejava o poeta com aquele poema, que diz o seguinte: “No meio do caminho tinha uma pedra. Tinha uma pedra no meio do caminho. No meio do caminho tinha uma pedra. Nunca me esquecerei desse acontecimento na vida de minhas retinas tão fatigadas. Nunca me esquecerei que no meio do caminho tinha uma pedra”.

O poema teve a repercussão de uma bomba. Meu professor, Aníbal Moura, do Liceu Paraibano, se insurgiu contra o poema, chegando a dizer: “Pena que não haja uma pessoa que apanhe essa pedra e sacuda no poeta”.

Vamos à pedra. Não há melhor símbolo de dureza, embora, seja humilhada pela água. Se abrirmos o Evangelho, veremos que nele há muitas pedras, a começar com aquelas que seriam jogadas na pobre mulher adúltera. É que lei só punia a mulher. Mas, segundo os videos divulgados na Internet, ainda hoje, nos países muçulmanos, se pratica o apedrejamento de mulheres em praça pública. Tanto rigor com a adúltera e tanta moleza para com o adúltero. A pedra, portanto, foi e continua sendo um instrumento de castigo.

E vamos adiante, lembrando que Jesus, certa vez, lamentou dizendo que não tinha uma pedra para repousar a cabeça. Que duro travesseiro!

A verdade é que a pedra pode ser encontrada até em nosso próprio corpo, isto é, nos rins. Quando se alude a um desastre, costumamos dizer: “Não ficou pedra sobre pedra.

Mas Jesus disse que Pedro era a pedra, símbolo de força, embora o apóstolo amado, dominado pelo medo, o negaria, mais tarde, o que não deixa de ser muito humano.

Apedrejamento... Que estúpido castigo! Por pouco, a mulher adúltera escapou do castigo, só porque Jesus disse: “Aquele que se julgar sem pecados, atire a primeira pedra”. Nenhum dos acusadores teve força para apanhar uma pedra e jogar na pobre mulher. E Jesus apenas os levou a uma reflexão. Tudo uma questão de interiorização. Os acusadores olharam para dentro de si e calaram-se. Como diz o ditado popular, o sujo não deve falar do mal lavado

Pedra é símbolo de fé e a água, símbolo de perseverança. Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura.

Para terminar, lembremos que Ele, no alto da cruz, banhado de sangue, pediu água e lhe deram vinagre. E o mais extraordinário é que o Mestre perdoou seus algozes quando disse que eles não sabiam o que faziam...
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário