Ah, Roberto Carlos...

Ele chegou tão rápido, saiu tão rápido, como se viesse a negócios... ou fugindo. E me lembrei dele, outrora... No tempo em que dizia desejar ter um milhão de amigos. Roberto Carlos chegou correndo, saiu correndo, como que se escondendo. Nada de vê-lo na TV ou publicamente, junto do busto de Tamandaré. Em uma de suas músicas, está, sim, aquela em que ele diz que deseja ter muitos amigos.

Não vi Roberto Carlos, pois para vê-lo e ouvi-lo a gente tinha que ir a um lugar privado, onde tinha de se pagar ingresso, 250 reais sentado, e 80 em pé. Mas, aqui para nós, tanto faz ouvir o cantor sentado ou em pé. De qualquer maneira eu não me arriscaria a tanto.

A verdade é que Roberto Carlos veio diferente. Quase não se deixou ver. Lembro-me que o cantor de outrora era mais simples. Ele tinha qualquer coisa de sagrado. Era mais romântico. Tinha um toque religioso. Mas lembrar que isso era, antigamente.

Hoje o negócio é faturar. Os milhões de amigos que ele desejava, para vê-lo e ouvi-lo, tinham de pagar ingresso caro. E foi um sucesso.

Roberto Carlos veio e saiu, certamente, muito eufórico. Cantou bem, faturou bem e os milhões de amigos que ele desejava não faltaram. Estou certo de que o nosso Roberto deve ajudar muitas instituições de caridade.

Não gostei de não ter visto e ouvido o cantor dos amigos. O Roberto que tinha qualquer coisa, repito, de religioso, de romântico, de sonhador.

Mas, o importante, hoje, é faturar. Roberto faturou bem, graças aos seus milhões de amigos. E não tenho dúvida de que ele cantará, da próxima vez, gratuitamente, para os garotos com câncer, para os que não podem ver, mas podem ouvir.

Roberto, não sei se é religioso e se sabe daquela advertência evangélica: a quem muito foi dado, muito será exigido.
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário