E viva o São João!

Longe de mim falar mal da maior festa do meu Nordeste que, aqui pra nós, faz muita inveja aos sulistas, mormente os paulistas.

Gosto do São João, menos do foguetão, menos da fogueira, menos do barulho das bombas, que assustam, incomodam os animais e perturbam o sossego alheio. E os fogos? Soltei muito mijão, chuveiro, diabinho e estrelinha. Mas, bom mesmo era a comida. E agora mesmo estou enchendo a boca d'água, só em me lembrar da canjica, do bolo de milho, milho cozido, da pamonha, sem esquecer do milho assado.

A desgraça é que persiste a mania de queimar fogueira, que anda destruindo ainda mais as nossas matas, poluindo o nosso ar, queimando nosso oxigênio. Já é tempo de refletir melhor sobre esse lado negativo do São João. É preciso lembrar que hoje existe a chamada consciência ecológica.

Os festejos juninos! Ah, como São Paulo gostaria de tê-los. Só não gosto quando dizem que o nosso São João é o maior São João do mundo. Isto quer dizer que tais festejos noutras cidades como Londres, Paris, Viena, Lisboa, Helsinque, são menores... E já imaginaram uma fogueira armada em frente à Torre Eifel ou na Place de La Concorde?... E uma “big” fogueira ao lado do Big Ben de Londres, à beira do Tâmisa?... Não. O São João é só nosso. Assim como São Pedro, coo suas boas comidas e animadas quadrilhas.

Quando ee era menino, costumava receber muitos fogos de presente, pois a data de meu aniversário é bem perto do São João. Mas houve uma exceção. Minha tia Autinha, uma beleza de mulher, seja pela cultura, seja pela elegância e delicadeza, em plenos festejos juninos, me levou de presente um livro de História. Como eu gostei...

Festa de São João, de São Pedro... Delas, hoje, só gosto da comida. Na minha adorável infância, lá na casa do sítio onde morávamos, ali pertinho da lagoa do Parque Sólon de Lucena, eu adorava sentir a boca enchendo d'água, quando via a travessa de canjica com o nome feito de canela.

Festas juninas, festas nossas, festas nordestinas, que fazem inveja ao pessoal do sul. Só não gosto de seu barulho, barulho de bombas, que é coisa do diabo. Mas, fechemos os ouvidos e abramos a boca. E que venham a canjica, a pamonha, o milho cozido e o milho assado.
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário