E viva a vida!

Pois é, acrescentei mais um ano à minha vida, aqui na Terra, e haja beijos, parabéns, votos de muitas felicidades e, por fim, mais esta conclusão animadora: muitos anos de vida! Mas o que significam muitos anos de vida? Ora, significam velhice. Mas as pessoas nem se dão conta do que estão desejando a todos os aniversariantes. E dizem isso, cantando alto o “Parabéns para você”, sempre com muitas palmas e bolo com velas.

Dizia o ator Charles Chaplin, que “deveríamos nascer adultos, ir rejuvenescendo, virar crianças, tornarmos-nos um bebezinho de colo, voltar para o útero da mãe, e passar os últimos nove meses de vida flutuando no silêncio do ventre materno. Não seria perfeito?"

Pensando bem, seria um horror. Já imaginou você envelhecendo e engatinhando? Mas, respeitemos a ideia do renomado artista, que tanta alegria trouxe ao cinema e à vida.

Voltando ao meu aniversário, como foi bom! Nem pensei na idade passando. Toda a família reunida. Família pequena, mas muito querida. E os gostosos beijos e os abraços não deixaram que eu me lembrasse de que estava ficando mais maduro...

E agora, voltando à modinha, vocês já atinaram para a sua letra? Todos cantando e desejando muitos anos de vida ao aniversariante? Aí eu fico pensando: quem tem muitos anos de vida é velho. Mas ninguém quer ficar velho. Mesmo assim, é o que todos desejam a todos. Comemora-se a velhice e a desejam ainda mais.

Continuando, aqui em casa fizeram uma festa muito bonita, com um gostoso almoço. Esposa, filhos e netos, todos eles sorrindo e batendo as mãos, embora o aniversariante estivesse envelhecendo, mas, que significa amadurecendo, que significa ter mais experiência, mais sabedoria, mais riqueza interior. Isso é o que importa. A verdade é que terminei comemorando mais um ano de vida rodeado dos queridos familiares, todos cantando. Que momento gostoso!

Quantos anos? Não direi, curioso. Minha mãe dizia que salário e idade não se pergunta. Só sei que vai longe aquele dia, na fria Alagoa Nova, quando dei o primeiro grito de vida. Grito ou choro, não me lembro. Mas sei que foi à boquinha da noite, que abri os olhos para o mundo. Curioso, sou um homem que detesta frio. Que me desculpe Alagoa Nova. E viva a vida!
O AUTOR
Carlos Romero é escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras e tem a crônica como forma literária favorita. Um estilo no qual retrata com forte dose de lirismo e humor suas sensíveis observações acerca do cotidiano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário