Propaganda proibida

Vivemos o século da propaganda. Propaganda em todos lugares, menos no fundo mar. Não duvido nada que, logo logo, a propaganda chegue até ao papel higiênico.

Já disseram que a propaganda é a alma do negócio. E é. Pela TV, pelo rádio, pelos outdoors, pela Internet, por toda parte. Até em carro de som, perturbando impunemente o sossego alheio.

Longe de mim ser contra a propaganda comercial. A de carros, nem se fala. Propaganda de bebidas, de comidas, de vestidos, propaganda de tudo.

A propaganda, repetimos, é a alma do negócio. E cada vez mais ela se moderniza, torna-se sofisticada. Comerciante que não faz propaganda de seus produtos, não pode concorrer com os colegas. E me vem a pergunta: Será que há comerciante que não faz propaganda de seus negócios?

A propaganda é livre, a não ser que seja da maconha e outras drogas, é claro.

E agora, ponho-me a refletir. Há um comerciante que não pode fazer propaganda de seus negócios. Quais é, cronista? É a propaganda dos caixões de defunto. Ah, como o comerciante desse produto fúnebre gostaria de vê-los na TV, nos outdoors, nas revistas...

Ora, ora, leitor, nem te conto. Faz tempo, numa rua comercial de uma cidade da Alemanha, se não me engano, Wiesbaden, numa vitrine muito chique, havia vários caixões fúnebres. E, aqui para nós, eram esquifes muitos bonitos, de madeira boa, lustrando, cheios de ornamentos. Sem dúvida, caríssimos. Tal fato muito me impressionou.

De minha parte, confesso que não acho nada demais a propaganda do caixão mortuário. Acontece que o medo da morte é tão grande que todo mundo quer esquecer a grande fatalidade.

Outrora, ainda alcancei esse fato, o enterro das crianças era uma festa, ninguém chorando, todos sorrindo a caminho ao cemitério. Hoje acabou-se o cortejo fúnebre pelas ruas. Mas também, com esse trânsito...

Não me esqueço da cidade alemã, onde vi, numa vitrine, luxuosos caixões mortuários. E repito que não achei nada de mais o fato, mas que vi com certa surpresa. Penso que todo comerciante desse produto gostaria de vê-lo com o destaque da loja alemã.

E agora estou me lembrando de um amigo, cuja distração era frequentar velórios. Não perdia um. Fosse de parentes, amigos e estranhos. E orava pelo defunto...
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário