O amor é ódio?

Eis aí uma pergunta que, decerto, causará espanto. É o mesmo que indagar se água é fogo? Ora, ora, mas vai ver que você já está dizendo que sim. E quem sou eu para discordar?

Voltando ao título da crônica, o amor seria ódio e vice-versa? E como definir o amor, esse sentimento sublime? Li, outro dia, uma definição que muito me agradou a respeito do amor. “Amor é Deus em nós”. Que beleza. Sim, quem ama, está com Deus. Quem ama, compreende, quem ama perdoa, não julga, quem ama ajuda, quem ama vê o outro como vê a si próprio. Não faz ao outro o que não deseja que lhe façam.

Paulo de Tarso disse que amava tanto Jesus que chegou a dizer: ”Não sou eu que vivo, é o Cristo que vive em mim”. Haverá maior prova de amor?
Jesus veio ao mundo para ensinar o amor. O amor ao próximo, que é o amor mais difícil do mundo. Mas, como ele era um grande professor, e grande professor é aquele que pratica o que ensina, o Mestre ensinou: “Amai-vos uns aos outros, como eu vos amei”. Que bela sentença! Ele dera o exemplo. Amou, mas não foi amado.

Continuando com o que disse acima, o ódio é amor? Que indagação estúpida, cronista! Ora, mas acontece que eu li, faz algum tempo, um texto de João de Brito, psicografado por Chico Xavier, em que ele disse que o amor é uma energia. E veja só estas suas conclusões. Conclusões que não vi em parte alguma:

Para ele, o ódio é o amor que se envenena, a paixão é o amor que se incendeia, o egoísmo é o amor que se concentra em si mesmo, o ciúme é o amor que se dilacera, o orgulho é o amor que enlouquece, o vício é o amor que se embrutece”, e assim por diante.

E bela é esta descrição do articulista, por sinal muito inspirado, chegando a seguinte conclusão: “O amor é a religião da vida”.

Mas, o que dizer das religiões que não ensinam amar? Religiões que discriminam, cujos fiéis cometem atos de terrorismo, que ainda apedrejam seus semelhantes?

É preciso sempre lembrar de que o amor é energia, que o amor tudo cria, tudo transforma, tudo eleva.
Ocorre que o homem até hoje não soube amar. Amar ao próximo como a si mesmo.

Mas, é preciso não esquecer de que amar não é dar beijinhos no outro, mas, sobretudo compreendê-lo. Compreensão, eis a palavra certa. E o que é compreender? É colocar-se no lugar do outro. Só isto. Coloque-se no lugar daquele que perdeu a visão, que perdeu os braços, a família, que perdeu o emprego, a saúde, que está sozinho no mundo.

Ponha-se no lugar do outro, e pronto. Compreenda e aja. Lembremos sempre de que estamos no mundo para amar.
Não esquecer que a vida sem responsabilidade é um crime. Não esquecer que o ódio, o orgulho, a vaidade, o egoísmo não dão paz interior a ninguém.

Não esquecer que a vida é o seu grande teste. Não se deite, na cama, para o sono, sem antes fazer um ligeiro balanço do que você fez durante o dia. E veja qual a nota que você merece.
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário