A riqueza como bênção

Um amigo me disse, certa vez, que o pior não é a pobreza, mas o espírito de pobreza. E, por incrível que pareça, há rico com espírito de pobre, e pobre com espírito de rico. Parece que há aí uma contradição. Mas, o meu amigo tem suas razões. Tudo na vida depende da atitude que tomamos diante das coisas e das pessoas.

Pobre com espírito de pobreza é digno de lamentação. Nunca melhorará na vida, pois, há muito que perdeu sua auto-estima. Faz questão de ser miserável. Compraz-se com a miséria e pronto. Também há aquele que é rico, mas tem espírito de pobreza. Torna-se escravo do dinheiro. Sua fortuna não serve nem para ele, nem para os outros. Vive com medo de gastar. É incapaz de empreender uma viagem para conhecer novas terras e ampliar seus conhecimentos. Seu apego ao dinheiro é patológico.

Quando eu era criança, ouvi falar de um homem muito rico. Não me lembro do seu nome. Só sei que ele tinha muito dinheiro guardado. Um avarento. No entanto, trajava-se mal, costumava andar a pé, e, em sua casa, decerto faltava o mínimo conforto. Pois bem, esse senhor era o tipo do rico com espírito de pobreza. Sim – já ia me esquecendo – ele era usurário.

Acontece que, um dia, eu vi esse homem que me foi mostrado por um irmão meu. Confesso que tive pena dele: mal vestido, magro, a barba por fazer, sapatos sujos. Estava ali o tipo do avarento que Balzac gostaria de ter conhecido para melhor se inspirar. “Aquele sujeito é rico como o diabo!” – cochichou meu irmão.

Aí me contou uma história envolvendo o tal personagem, que muito me divertiu. Certa tarde, o velho agiota ia subindo a ladeira da antiga Avenida Guedes Pereira, desta Capital, carregando um embrulho que parecia ser um queijo do reino, que, naquela época, era muito caro. Só rico tinha o privilégio de possuí-lo. Lá ia o nosso herói com o embrulho debaixo do braço, quando um seu amigo indagou: “Que é isso que você vai levando aí?” Ele, sorrindo e meio encabulado, disse: “Um queijo do reino”. Ocorreu que, nesse momento, ele tropeçou numa pedra, e ao invés de queijo, o que se viu rolar ladeira abaixo, pelo chão, foi uma fruta-pão... O amigo caiu na risada, pois já sabia de sua avareza, de sua mesquinheza, de seu espírito de pobreza.

Mil vezes um pobre com espírito de riqueza do que um rico com espírito de pobreza. Lembrar que riqueza atrai riqueza, e pobreza atrai pobreza. É a lei sintonia que rege a vida.

E viva a riqueza que não se fecha, que flui como um rio, que se expande como o vento, que alimenta como o oxigênio que respiramos, servindo a tudo e a todos. Riqueza como bênção. Riqueza que também é teste para medir o espírito de solidariedade de quem a possui.

Tenhamos sempre na cabeça aquela regra ensinada por Paulo de Tarso: “Vivamos no mundo como possuindo tudo e nada tendo, com todos e sem ninguém”. E por que tomar tal atitude diante das coisas do mundo? O próprio Paulo responde: “Porque nada trouxemos para este mundo e é evidente que nada podemos levar dele”.
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário