A Romaria da paz

É o que diz o ditado: “Boa romaria faz quem em casa está em paz. Sair de casa deixa você exposto a muitos imprevistos desagradáveis, desde um engarrafamento, um assalto, a um acidente, de que o mundo está cheio. Portanto, mais tempo em casa, menos tempo na rua.

Sabemos que na rua está a distração. E a distração é uma beleza para quem não gosta de levar a vida a sério. Para quem não gosta da reflexão, de conversar consigo próprio.

A rua de ontem era outra coisa. Crianças brincavam de rodas, as mulheres botavam cadeiras nas calçadas, as janelas eram abertas para a rua, sem grades, sem cercas elétricas, emoldurando o semblante das pessoas, nada de zoada, a não ser o grito suave dos pregões: “Chora menino para comprar pitomba”.

Hoje, a rua é um perigo. De minuto a minuto, um assalto. Às vezes seguido de homicídio. De minuto a minuto, um estrondo, um barulho, como se nossos ouvidos fossem de bronze. É a triste poluição sonora.

Mesmo assim, hoje, a casa, o apartamento, ficam vazios e seus habitantes insistem em sair para a rua. Refeição boa é fora, com os seus restaurantes cada vez mais sofisticados e entupidos de gente. É necessário cada vez mais se mostrar, se exibir. Sair de casa, quase sempre é uma necessidade, para que a gente possa ser vista E que a casa ou o apartamento fiquem lá trancados, no seu sossego, no seu silêncio.

E haja a rua cheia, com seus assaltantes, com os seus carros buzinando, engarrafados e sem saírem do lugar. Ah, os congestionamentos, que tortura! Dentro dos seus carros, todo mundo morrendo de ansiedade, que é preciso sair de casa para se exibir, mostrar o que se comprou, mostrar o carro novo, a bolsa nova, graças ao consumismo. E a paz lá no aconchego de casa, do lar. Espaços tão bons para ler, para ouvir música, meditar, relaxar, para pensar um pouco sobre o sentido da vida. Lá fora o barulho insistente das buzinas, dos carros de som, de propaganda. Todos gritando suas frustrações, suas inquietações. E não vai faltar o palavreado vulgar, a música de má qualidade.

Só a televisão fica em casa. E quando é ligada, fica dizendo aos seus telespectadores que saiam de casa para comprar mais... E haja gente na rua.
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário