Praias de lá e de cá

As praias que vi, há algum tempo, seja na Nova Zelândia ou na Austrália, seja na Islândia, que vim conhecer agora, são muito diferentes das nossas. Além de desertas, elas não prestam para o banho, pois são geladas. Além do frio ser grande, cadê as areias fininhas de nossas praias? Areia para a gente se deitar e sonhar, para escrever o nome da amada ou um poema, como fazia o padre Anchieta, não existe.

Areias cheias de pedra é só o que se vê. Outra coisa, em geral, as praias desses países citados são desertas. Vêem-se poucos turistas e muito menos o pessoal da terra. Agora, com uma vantagem: O que predomina, ali, é o silêncio. Daí serem boas para se meditar. Não são boas para o banho, nem para o cooper. E eu vendo as praias de lá e me lembrando das praias de cá.

Outra coisa: não vi coqueiros. Os belos coqueiros que abundam em nossas praias. Aqui, o coqueiro dá nome às praias, não é Coqueirinho?

E que dizer dos coqueiros de Tambaú? Como eles são femininos! E agora me deu um desejo danado de beber água de coco. Que suave bebida! Mas, muitos preferem a cachaça ou outra bebida alcoólica. Já se disse que gosto não se discute. Concordo.

Voltemos às praias de lá. Houve delas que serviram de cenários para filmes como Kare Kare, perto de Auckland. Uma praia mística, meio fantasmagórica.

Praias da Nova Zelândia, praias da Islândia, praias de se ver, praias para se tomar aquele banho, praias de areia lisas como um lençol. Praias de fazer a gente bater o queixo. E a famosa Praia dos doze apóstolos? lá na Austrália, que me deixou tremendo de frio? Só os apóstolos de pedra tomavam banho. Os turistas só faziam olhar.

Na Islândia, meus amigos foram ver uma praia que só para chegar lá você tinha de sair se desviando de barrancos e enormes pedras. Eu preferi ficar lendo um livro no conforto do carro, ouvindo o adágio da Pastoral. A turma voltou informando que a praia, ao invés de areia, só tinha seixos negros.Tomar banho, nem sonhar...

Faz bem o meu filho Germano, passando os fins de semana curtindo as praias do nosso litoral sul, que ele não troca por praia nenhuma do mundo.

Praia de Tambaú, não há outra igual. Praia para se tomar banho, fazer caminhadas, deitar-se na areia, olhar a lua cheia. Praia de se sonhar.
O AUTOR
Carlos Romero é escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras e tem a crônica como forma literária favorita. Um estilo no qual retrata com forte dose de lirismo e humor suas sensíveis observações acerca do cotidiano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário