O cigarro, o catarro e o pigarro

Já estou vendo a cara de nojo de quem lê estas três palavras. Esquece ele, caso seja fumante, que estas coisas estão no vício de fumar. E o que é fumar? É botar fumaça pela boca. Vejam só que coisa besta. Fumo nunca foi alimento para entrar na boca. Fumo fede, fumo ofende, fumo produz enfisema, transformando os pulmões em pus. Os pulmões são órgãos delicadíssimos. É através deles que respiramos o oxigênio, o melhor alimento que ingerimos, invisível e gratuito. Fôssemos pagar pelo oxigênio que respiramos, gastaríamos uma nota. Só os ricos o respirariam. Mas Deus é grande e nos dá de graça o valoroso alimento.

Pois bem, o fumante estraga com o seu vício os pulmões. Como fui um inveterado fumante, acho que tenho autoridade para falar contra esse fedorento e maléfico vício. Deixei-o no ano de 1962. Pois bem, tempos depois fui tirar a radiografia dos meus pulmões e ainda restavam resquícios de um enfisema, porém, felizmente, inativo. Que confirme o meu radiologista e amigo Vamberto Costa Filho.

Sim deixei o cigarro, de que era viciadíssimo, por conta de uma taquicardia. O coração batendo a ponto de pular fora. Sofri muito a falta do veneno fedorento, quando o deixei. E eu culpo o ator cinematográfico Humphrey Bogart pela minha viciação. Ele fumava bonito e muito. Não sei como sua belíssima parceira Ingrid Bergman tolerava.

Meus filhos não se viciaram em fumo. Gozam de boa saúde. Meu pai nunca botou um canudinho venenoso na boca. Mas meus irmãos, o mais velho, Mário, morreu de cigarro. Vi-o no hospital, arfante, com o pulmão preto de nicotina. E o meu tio, jornalista José leal, que não tirava o cigarro da boca? Fui visitá-lo também no hospital, arquejante, chegando a dizer para mim que o vício era a coisa de que mais se arrependia na vida.

Duvido que os animais irracionais (irracionais?) fumem. Nem o macaco, que parece muito com o homem, fumaria.

Repito: o cigarro fede, o cigarro ofende. E o fumante é hoje um discriminado, um marginal. Não faltam avisos de advertência em todo lugar que a gente vai. Chegam a engaiolá-los em fumódromos fechados e isolados de todos. Muitos curiosos ficam olhando para o fumante com muita pena. E tem deles que dão as costas aos curiosos. Pois bem, até essa gaiola está sendo proibida agora.

O hálito do fumante, manhã cedo quando acorda, é capaz de matar uma mosca.

Nesta última andança mundo afora, assustou-me como ainda se fuma no estrangeiro, principalmente em Paris. A gente olha para o chão e ei-lo atapetado da chamada piola. Fuma-se muito lá fora, embora não falte aviso proibindo o vício. Só os pombos, que andam farejando o chão, não pegam uma piola para comer.

E aqui vai uma confissão. Gozo, hoje, uma saúde fora de série. Minha alimentação é toda integral, regime que o nosso Germano adotou primeiro lá em casa.

Agora, um aviso aos navegantes. Quando uma pessoa morrer devido ao fumo, diga: “Morreu de fumo!”

E foram tantos que se foram, devido ao cigarro, com o seu pigarro e o seu catarro. Valeu a rima...
O AUTOR
Carlos Romero é escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras e tem a crônica como forma literária favorita. Um estilo no qual retrata com forte dose de lirismo e humor suas sensíveis observações acerca do cotidiano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário