Conte suas bênçãos!

Um famoso psicoterapeuta, de cujo nome não estou lembrado agora, sugeriu que, todas as manhãs, quando levantássemos, deveríamos contar nossas bênçãos, as coisas boas que possuímos e esquecemos. Os talentos dados pela vida.

E quais são essas bênçãos? Ora, ora, são tantas. Vejamos algumas delas. A saúde. Há pessoas que dormem bem, alimentam-se bem, possuem um bom emprego, uma família harmonizada, uma religião saudável, que não transforma a fé em medo, muitos amigos e assim por diante. Mas, por incrível que pareça, se julgam infelizes ou, pelo menos, preocupadas, angustiadas, deprimidas e assim por diante. Não se conscientizam de sua felicidade, o que não deixa de ser uma lástima.

Faz-se necessário administrar bem a nossa existência. Disse Jesus: De tudo que recebemos quando vimos estagiar neste mundo nos será cobrado. Será que usamos bem os talentos recebidos? O talento das mãos, pernas e olhos perfeitos? E que tal usar bem a palavra, evitando a maledicência, mania de falar mal dos outros?

Como vêem, é grande a nossa responsabilidade de viver. Afinal, quem nos deu este corpo que usamos? Será que estamos neste mundo por acaso, como simples gaiatos? Falei do corpo, e haverá santuário mais sublime como este nosso corpo, que recebemos para o exercício do viver? A verdade é que estamos degradando este magnífico organismo com os vícios. Os vícios do fumo, da cachaça, das drogas, do excesso de trabalho, da ganância, da má digestão, da ociosidade…

Zelemos pelos talentos recebidos. Muita gente pensa que estamos aqui no mundo apenas para viver e morrer. Muita gente ignora que a vida terrena nos foi dada para ser bem administrada. Se nada existe depois da morte, se não há a responsabilidade de viver, então de papo por ar e pronto…

O espírito guia de Chico Xavier, Emmanuel, ensinou que devemos semear o chão, mas não esquecer de instruir o ignorante, pois não há desgraça maior do que a ignorância. Muito pior do que a fome física.

Nada de semear ventos. Quem semeia ventos, ensina o brocardo popular, colhe tempestades.

Voltando ao que dizíamos no início, não esqueçamos a responsabilidade de viver. Somos responsáveis por muita coisa. Responsáveis pelo ar que respiramos, pela palavra que emitimos, pelo poder que exercemos, pelo dinheiro que detemos, e que deixaremos quando daqui sairmos, pelo pensamento emitido, pelos dons e tendências com que fomos aquinhoados na vida.

E para concluir, nada como lembrar a Parábola dos Talentos, narrada por Jesus. Ei-la: Ao primeiro servo, o senhor deu cinco talentos, ao segundo dois e ao terceiro um. E partiu. O primeiro, negociou com os cinco talentos recebidos e os duplicou. O segundo, a mesma coisa. Mas o terceiro, ao invés de negociar com os talentos recebidos, enterrou-os com medo de perdê-los.

O proprietário ficou muito aborrecido com este terceiro empregado. Chamou-o de preguiçoso e medroso. Não multiplicou os bens recebidos. Saibamos, portanto, administrar bem os talentos que recebemos da vida. Sejamos um bom administrador. Não esqueçamos a recomendaação de Jesus: “Dá conta da tua administração”.
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário