Ah aquele rostinho...

Tanta beleza para ver e ouvir... Estou me lembrando da Orquestra Sinfônica, ao tempo que tinha como maestro o grande Eleazar de Carvalho, um homem simples, culto e discreto. Vi-o, certa tarde, na antiga Mesbla, no parque Sólon de Lucena. Ele estava à porta, decerto esperando alguém. Não resisti, cheguei perto dele e indaguei: O senhor é o maestro Eleazar de Carvalho? Ele, num meio sorriso, foi logo dizendo: “Sim, às suas ordens”. Identifiquei-me como jornalista e mantivemos uma ligeira conversa.

Nascido no Ceará, Eleazar era um maestro admirável. Gostava de vê-lo naquela postura discreta e respeitosa, sobretudo quando regeu, lá no Espaço Cultural, a Nona Sinfonia de Beethoven. Estava, ali, um maestro brasileiro que nada devia aos famosos regentes estrangeiros.

E naquela noite da Nona Sinfonia, em meio a numerosos rostos no palco, um me chamou a atenção, pela suave expressão. Uma quase adolescente, cujo rosto encostado ao violino, parecia dormir ou sonhar. E eu disse para a minha esposa Carmen: “Olhe só o rosto daquela violinista branquinha. Carmen só fez dizer: “Linda!” E acrescentou: “Gostaria de ter uma filha assim”...

Minha primeira esposa, inesquecível companheira, era pianista, embora não fizesse do piano uma profissão. O tempo foi passando, até que a viuvez veio escurecer a minha vida, pois, se houve um matrimônio feliz, foi o meu com Carmen. Vítima de uma meningite, ela saiu da minha vida, deixando-me na mais dolorosa viuvez, que descrevi no livro “A Dança do tempo”. Um livro molhado de lágrimas.

Saiu Carmen, mas chegou Alaurinda, violinista da nossa Sinfônica. Aquela do rostinho que tanto me chamou a atenção, com quem me casei depois. Agora, quem vai ficar viúvo é o seu violino, pois ela vai se despedir da Sinfônica. Cumpriu sua jornada profissional. E ninguém levou tão a sério a profissão como minha violinista. Mas não acredito que o seu querido instrumento se cale. Um instrumento que tanto embelezou sua vida.

Ela tem o hábito de tocar para os amigos que aniversariam. Pega o telefone e toca um lindo “Parabéns para você”. E fico pensando, agora que vai completar uma primavera, quem irá tocar para ela? Ah, se eu tocasse algum instrumento... Mas fica esta crônica como homenagem ao dia de hoje, o seu aniversário.
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário