Amor e Caridade

Existe uma sinonímia entre amor e caridade? Se existe, para que estar usando os dois sentimentos como se fossem sinônimos? A Doutrina Espírita é a única religião que erigiu como seu postulado básico o slogan “Fora da caridade não há salvação”. Não disse: “Fora do amor não há salvação”. Por que? É que há uma diferença entre as duas virtudes. O amor é amplo, enquanto a caridade é restritiva. A caridade tem como objeto o ser humano. É amor, sim, mas fraterno. Você ama a Natureza, você ama a Deus, você ama os animais, mas você não faz caridade a Deus, nem ao seu cróton.

Portanto, nada de estar misturando as coisas. Tanto o amor, que é gênero e a caridade, que é espécie, merecem o nosso respeito, a nossa reverência. Jesus disse: “amai-vos uns aos outros como eu vos amei”. O outro é o próximo. E ele ilustrou muito bem a caridade quando narrou a parábola do bom samaritano, em que este cuidou de um homem ferido na estrada. Uma eloquente prova de amor ao próximo. Se esse mesmo homem tivesse acudido um cachorro ferido, seu ato seria classificado apenas como amor. A caridade, repitamos, é amor ao semelhante.

Ninguém exaltou tanto a caridade como Paulo de Tarso na Epístola aos Corintos. Ele não fez referência ao amor e, sim, à caridade. Ouçamo-la “Ainda que eu falasse a língua dos homens e dos anjos e não tivesse caridade seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom da profecia e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência e ainda que tivesse toda a fé de maneira tal que transportasse os montes, mas não tivesse caridade, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse caridade, nada disso me aproveitaria”.

Por que Paulo não fez referência ao amor, esse sentimento que tem o ser humano como objeto? Não resta dúvida, é porque caridade tem sentido restrito e o amor é genérico. Não vão os espíritas modificar o “slogan” para “fora do amor não há salvação”. A caridade é amor restrito ao ser humano.

E para finalizar, vejamos, em “O Livro dos Espíritos”, a enumeração das leis morais: a última é Lei de Justiça, Amor e Caridade. Está aí evidente a diferença entre o amor e a caridade.

Reiteremos que ninguém ensinou tão bem o que era caridade como Jesus, com suas curas maravilhosas ao limpar leprosos, levantar paralíticos, dar visão aos cegos, estancar a hemorragia de uma mulher que sofria do mal há muito tempo, aliviar os obsidiados, dar voz aos mudos. Fez tudo isso sem cobrar nada. O que ele desejava é que todos amassem os outros como ele nos amou. E o Mestre ensinava e exemplificava. Ensino sem exemplo é cheque sem fundo. Por fim, advertiu que “se conheceriam os seus discípulos por muito se amarem”.

Amor e caridade, eis o grande binômio, cada um com a sua especificidade. Agora repitamos a pergunta: caridade é amor? Sim, mas que tem como objeto o ser humano, por conseguinte o amor fraternal.

Que seja respeitado o belo dístico da Doutrina Espírita: “Fora da caridade não há salvação”. Salvação que poderá ser substituída por evolução, até chegar à perfeição, como Jesua recomendou: “Sede perfeito como perfeito é o vosso Pai. Haverá maior prêmio do que este?
O AUTOR
Carlos Romero é escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras e tem a crônica como forma literária favorita. Um estilo no qual retrata com forte dose de lirismo e humor suas sensíveis observações acerca do cotidiano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário