O matuto erudito

Morre Ariano Suassuna, com aquele jeito de matuto erudito, o rosto sempre pedindo um sorriso. Um homem que nunca usou máscara. De uma simplicidade admirável, como sempre estivesse mangando de tudo, a começar da vida.

Nasceu num palácio, o Palácio da Redenção, ali na Praça João Pessoa. Quando eu era da Casa Civil do Governador Pedro Gondim, pensei ainda em sugerir que se colocasse, ali, uma placa alusiva ao nascimento de Ariano.
Conheci seu irmão, Lucas Suassuna, que foi juiz, mas depois abandonou a carreira e foi advogar. Era um autêntico diplomata. Como o admirei!

Ariano foi professor de Estética de minha esposa Alaurinda, que sempre me dizia que suas aulas eram uma mistura de cultura e bom humor. Os alunos aprendiam sorrindo. Era na Escola de Artes, no Benfica, na UFPE.

A última vez que o vi – faz tempo – ele tinha ido ao Palácio tratar de um interesse, e demorou a ser atendido. Muita gente desejando falar com o governador. Era fim do governo, o que Ariano depois disse para mim: “Onde fui me meter, tratar de interesse pessoal, com um governador já saindo...”

Ariano Suassuna! Nordestino até os ossos. Nada de sotaque sulista. Ele fazia questão de falar como nordestino. Tão nordestino como um José Lins do Rego, Graciliano Ramos, Câmara Cascudo, Gilberto Freire.

“O auto da Compadecida”. Que maravilha! E a sua simplicidade, a sua autenticidade, a dignidade de escritor? São justíssimas as homenagens póstumas que estão lhe prestando. Os jornais, no dia seguinte à sua morte, gritaram em suas manchetes. E houve uma delas que chegou a dizer: “Morreu o maior grilo do mundo”. Só não gostei de uma notícia dizendo que Ariano foi enterrado... Que materialismo estúpido.

Lembrar que Ariano é imortal de nossa Academia de Letras, e que o dinâmico presidente Damião Cavalcanti trate logo de erguer, nos jardins daquela Casa, um busto em homenagem ao genial escritor.

E como era bom vê-lo com o seu genial sorriso. Um sorriso de muita sabedoria, sabedoria de quem levou a vida com muito amor e humor. Um autêntico matuto erudito.
O AUTOR
Carlos Romero é escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras e tem a crônica como forma literária favorita. Um estilo no qual retrata com forte dose de lirismo e humor suas sensíveis observações acerca do cotidiano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário