Viajar de avião

Gosto de viajar de avião. Que me perdoem Ariano Suassuna, Oscar Niemeyer e Carlos Drummond de Andrade. Este chegou a escrever um belo poema: ”A morte no avião”.

E gostoso mesmo é subir a escadinha que nos leva até o pássaro de alumínio. E tem sempre uma comissária bonita ou simpática à entrada do avião a nos desejar boa viagem.

Tudo começa com aquela arrumação de bagagens de mão. Não sei porque noto na maioria dos passageiros certa apreensão no rosto. Quase ninguém sorri.

Saímos de Lisboa para Bruxelas, que para mim foi um reencontro. Depois de tudo quieto, o avião começa a deslizar no asfalto. É o preparo para a decolagem, quando ele se desprega do solo e enfrenta as alturas. Aí a gente nota como a aeronave não é nada lá em cima. Se olharmos para baixo, vemos tudo pequeno. O avião vai atropelando as nuvens. A paisagem é polar.

O silêncio é grande. Um silêncio, às vezes, perturbado com o choro espremido de uma criança. E o que perturba um pouco são as chamadas turbulências. Dir-se-ia que a aeronave está tremendo de medo. São as quedas no vácuo. E lembrar que minha neta Raíssa, de 13 anos diz que adora as turbulências... Eu desconfio que o avião tem medo daquelas alturas. Daí a tremedeira.

Há duas coisas chatas na viagem aérea: aquela comidinha requentada, que parece comida de hospital e o apertadíssimo sanitário. Mas, as companhias aéreas sabem atenuar o medo dos senhores passageiros com aquele video defronte da cadeira.

Quanto a mim, adoro pensar e ler no avião, quando não estou na janelinha vendo aquele mar de nuvens silenciosas. Viajar de avião é ótimo, principalmente quando as jovens comissárias nos trazem a comida e o sorriso.

Gosto do silêncio dentro da aeronave. Um silêncio que faz a gente dormir e sonhar até que venha o aviso dizendo que o avião está aterrissando. Uma descida de bêbado.

Agora ele já desliza sereno no asfalto. Pouco mais é hora de pegar as bagagens e o aeroporto nos espera para uma porção de formalidades. E haja filas, morosidades, o diabo!

O baiano Dorival Caymi cantava que “é doce morrer no mar”. Não chego a dizer isto com relação ao avião.
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário