Uma luz dentro da gente

Que história é esta, cronista? Onde você soube disso? Quem descobriu essa luz? É verdade que Jesus disse, certa vez, aos seus discípulos ”Brilhe a vossa luz!” Disse mais o mestre: “Não esconda a lâmpada debaixo do alqueire, mas no velador, para que a luz ilumine a todos".

Viva, portanto, a luz, seja do vagalume seja do sol. Luz é alegria. Diz a Bíblia que a primeira coisa que Deus disse ao criar o mundo foi: ”Faça-se a luz”.

E chega-nos esta indagação: qual das curas de Jesus a mais importante? Dar locomoção aos paralíticos, limpeza aos leprosos, voz aos mudos? Eu acho que foi dar luz aos cegos. Imagine-se na escuridão, num mundo cheio de belezas para ver

Goethe, já moribundo, a vista enfraquecida, pediu: ”Luz, mais luz!”. Já imaginaram um mundo sem luz? Mas Deus é tão bom que, todos os dias, acende a luz do sol para nós, sem que paguemos um centavo. Aliás, tudo que Deus nos dá é de graça, a começar pelo nosso maior alimento que é o oxigênio que respiramos sem nos lembrarmos disso.

Voltemos à luz. O genial Einstein recebeu o Prêmio Nobel pela tese da “quantização da luz” e não pela “Teoria da relatividade”, como muita gente talvez pense.

De uma coisa, porém, eu não sabia. Não sabia que dentro do nosso corpo, desse magnífico cosmo, existe luz. Mas como pode ser isso? Não, não sou eu que estou afirmando tal verdade, e, sim, o genial filósofo francês Descartes, conhecidíssimo pelo seu Discurso do Método”, que tanto disciplinou o nosso comportamento. Dele é aquela profunda reflexão, tão vulgarizada “Penso, logo existo”. E ninguém pensou mais do que o filósofo francês, que nunca conheceu as manhãs, pois acordava ao meio dia. E haja pensamento naquela cachola erudita, e tanta gente por aí preocupada mais com a distração do que com a reflexão.

Aqui para nós, certamente Descartes gostaria muito de haver conhecido o escultor Rodin, autor do conhecidíssimo “O Pensador”.

Mas o que tem o filósofo a ver com luz? Ora, ele descobriu que há dentro de nós uma glândula iluminada e que esta luz provava a existência de Deus. Os céticos não gostaram, tanto é assim que poucos se referem a essa afirmação do filósofo. Lembrar que Descartes tinha sonhos fantásticos. Sonhou, certa vez, com a visão matemática do Universo, sem esquecer que ele era um grande matemático.

Eu fico pensando, ah se o nosso pensador lesse a obra de André Luiz, psicografada pelo grande Chico Xavier, que no livro “Missionários da Luz” fala com muita clareza sobre uma glândula que fica na base do cérebro, chamada epífise, que brilha que é uma beleza. A glândula minúscula, também chamada pineal – acentua o autor - transforma-se em núcleo radiante e, em derredor, seus raios formavam um lótus de pétalas sublimes”.

Agora é o caso de dizer, procuremos iluminar as nossas mentes. Jesus tinha razão quando recomendou: “brilhe a vossa luz. ”
Lembremos que o Mestre, certa vez, realizou uma reunião mediúnica, no Monte Tabor, quando então se transformou em luz. Uma luz tão intensa como aquela que fez Paulo de Tarso cegar, na estrada de Damasco.
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário