Quem tem boca...

"Quem tem boca, vai a Roma” - diz o ditado. Não, amigos, quem tem boca vai para toda parte. Falei sobre as mãos, sobre os olhos, sobre os pés, e agora chegou a vez da boca. Você pode viver sem os olhos, sem as mãos, sem os pés, mas sem a boca é impossível.

Sem ela, como falar, como se alimentar, como beijar? É importante o alimento que se ingere, a água que hidrata, o remédio que se toma, mas a palavra que sai da boca é a alma da convivência. Não se convive sem a fala. Dize-me como falas e eu te direi quem és. O homem não é somente aquele que pensa, mas aquele que fala.

Se não me engano, foi Voltaire que costumava dizer a uma pessoa que lhe era apresentada: ”fala para que eu saiba quem tu és”. E como ele dava importância à fala, chegando a dizer: “Eu discordo do que você diz, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-lo”.

Tem muita gente que bota a palavra fora. Que diz coisa que não era para se dizer, fala pelos cotovelos. Mas, a palavra não é para se desperdiçar.

Voltando à boca, Jesus, certa vez, disse: “não é o que entra na boca, que contamina o homem, e, sim, o que dela sai. “Ora, o que sai da boca é a palavra.

“Orai e vigiai para não entrardes em tentação”, receitou também o Mestre. Estejamos, portanto, atentos ao que dizemos.

Há uma mediunidade chamada Psicometria. O médium psicômetra se entrar numa sala, por exemplo, percebe tudo o que se disse naquele ambiente. As palavras dos que estiveram ali ficaram gravadas na parede. Veja aí quanta responsabilidade no falar.

A verdade é que nada se perde do que dizemos. Por isso, repitamos a advertência: muito cuidado com a palavra! Muita franqueza dói. Daí dizer Chico Xavier: “a verdade que fere é pior do que a mentira que consola”.

Aqui já falamos dos olhos, dos pés, das mãos, e vimos sua grande importância em nossa vida e da responsabilidade de usá-los. E agora falamos da boca, pois muita gente se utiliza mal da boca, não só pela má palavra como pelos venenos do fumo e da bebida alcoólica.

A fala é uma benção. Que digam os mudos. Jesus ensinava a discrição: “Que o teu falar seja sim, sim, não, não”. A palavra é tão importante que a Bíblia começa dizendo: “No princípio era o verbo”.

Ninguém soube usar tão bem a palavra como o Mestre. Tinha resposta para tudo. Só uma vez ele deu o silêncio como resposta. Justamente quando o procurador Pilatos lhe perguntou: ”O que é a verdade?” O procurador estava junto da verdade e não sabia. Jesus calou-se. Nunca um silêncio falou tão alto. Como explicar ao cético procurador o que era a verdade? Jesus poderia muito bem ter respondido: “A verdade é a lei”. Ou senão: “A verdade sou eu”. Mas o seu silêncio disse tudo. Impressionante aquele encontro entre a Verdade e a Mentira...
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário