Sair de si

Não esteja sempre saindo de si. Nunca deixe a sua vida interior vazia. Quem deu muita ênfase à vida interior não podia ser outro. E sei que você já está respondendo: “Sócrates”. Sim, foi o Mestre de Atenas que nos convidou a penetrar no templo sagrado da nossa vida interior. Mas antes do mestre, já existia no Oráculo de Delfos a seguinte inscrição “Nosce Te Ipsvm” - Conhece-te a ti mesmo.

Pobre é aquele que vive mais pra fora do que pra dentro. Que vive mais para a distração do que para a reflexão. E Jesus nos aconselhou fechar-nos num quarto, toda vez que fôssemos orar. Ora, o quarto é a nossa consciência.
Informam que quando a gente morre, o primeiro encontro é com nossa consciência. Ela é quem vai nos julgar. Seremos, então, juízes de nós mesmos. Que momento dramático!

Há muita gente saindo de si mesmo à procura da distração. E há tanta coisa para a gente se distrair... O barulho, a conversa alta, a bebida alcoólica, os amigos, a comida, o celular... Saem de seus apartamentos como quem sai de uma prisão, uma prisão de não sei quantos andares. Há gente que nem gosta de sua própria casa...

Daqui onde estou, avisto um gigantesco edifício de não sei quantos andares. Noto que todas as janelas estão fechadas. Nenhuma pessoa para estender seu olhar para fora. O jeito é entrar no elevador e sair, ou melhor, fugir dali.

Nunca houve em tempo algum tanta fuga de si mesmo. Para isso não faltam o televisor, o aipode, o restaurante, a Internet, a nova tecnologia, as festas populares, enfim, tudo que nos faz esquecer a nós mesmos.

Elevo meu olhar até o edifício à minha frente, e noto que apenas no estreito terraço de um deles há uma palmeira. É alguém com saudade da Natureza que ficou lá embaixo.

E eu quero, antes de pingar o ponto final, lembrar esta conclusão de Frederic Renoir, um de meus mestres: “o que faz o homem feliz é a conscientização do sentido da existência”. Mas para isso é preciso, ao invés de sair de si, encontrar-se consigo mesmo.
O AUTOR
Carlos Romero é escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras e tem a crônica como forma literária favorita. Um estilo no qual retrata com forte dose de lirismo e humor suas sensíveis observações acerca do cotidiano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário