A viagem da vida

O avião ia sereno, acima das nuvens, a caminho de Lisboa. Mas o avião, tinha vez, que parecia dormir. Dormir ou sonhar. E eu me vendo na pessoa do comandante, lá na cabine. Que responsabilidade a desse profissional, na direção da aeronave. E fico pensando: em que estará pensando o comandante?

Agora a aeronave, carregando mais de duzentas pessoas – imagino - começa a tremer. Será de frio ou de medo? Ah, já sei, são as nuvens nas quais ele vai tropeçando.

Da janela avisto um mar de nuvens que me lembram grandes rebanhos. Nuvens branquinhas e serenas. E eu vejo, nessa altura, que não somos nada... Que a nossa vida está por um fio. Ora, ora, e quando é que a nossa vida não está por um fio? Quando é que nossa vida está segura? A qualquer momento...

Deixemos as divagações filosóficas. Façamos como os demais passageiros: uns dormindo, outros lendo e a maioria com o olho pregado na tela do monitor à sua frente. Eu prefiro pensar. Não é, meu mestre Descartes? O teu “penso, logo existo” foi a maior descoberta de todos os tempos.

Estamos vindo de Paris a caminho de Lisboa. E em Lisboa, estou em casa. E eis que a minha boca já se enche d'água: é a lembrança do gostoso e inigualável bacalhau português.

Que silêncio!... O avião está descendo. É o momento da aterrissagem, que o português chama de aterragem. Dizem que este é o momento, tanto quanto a decolagem, é o mais difícil para a aeronave. Muita gente com o coração na mão. E haja tremedeira. Minha neta Raíssa disse que a melhor parte da viagem aérea é a turbulência. Ela adora essas quedas no vácuo.

Os passageiros só fazem respirar. Lisboa já está perto dos nossos pés. E eis que a aeronave já está deslizando no asfalto. Agora é aguardar o momento de retirar as bagagens de mão... Bagagem rima com viagem, viagem com a aterrissagem. Afinal a vida não deixa de ser uma viagem...

E viva a vida!
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário