A Música e as duas esposas

Afinal, Carlos, o que têm a ver suas esposas com a música? Ora, foi a música o pretexto para a nossa aproximação amorosa. E o cronista, que é doido por música - seu oxigênio cotidiano - não pensou duas vezes diante da pianista e da violinista, que, aqui para nós, venceriam o mais rigoroso concurso para miss.

A primeira, para me casar, tive de me batizar, já que era de família muito católica, pedido a que não me opus, pelo amor que tinha pela noiva. O mesmo já não aconteceu com a segunda, cuja cerimônia de casamento ocorreu, na nossa casa residencial, com grande afluência de amigos, boa música, e a simpática juíza, Rita de Cássia. E quem nos saudou num belo discurso foi meu amigo, engenheiro e médium espírita Joaquim Silveira.

Portanto, cerimônia religiosa para o primeiro casamento, cerimônia civil para o segundo. No primeiro perdi meu estado de pagão, o que foi uma pena, porquanto assim desejava meu grande pai.

Vamos começar (e o coração já batendo) pela primeira, a pianista, uma linda jovem chamada Carmen, nome dado pelo pai, arquiteto Clodoaldo Gouveia, depois que assistiu em Madrid à ópera Carmen, que adorava. Ela me deu dois filhos de ouro: o primogênito Carlos, apelidado por Tuca, e o segundo Germano. Ambos de temperamentos completamente diferentes. O primeiro podíamos comparar a um rio e o outro a um lago. O rio é inquieto, o lago reflexivo. Ambos abraçaram a profissão que desejavam. Tuca enveredou para a Física, e hoje é PhD, o outro, que sempre ambicionou as alturas, escolheu a Arquitetura.

A primeira esposa Carmen, como já disse, em música, ficou apenas no amadorismo. Fez concurso para a Receita Federal, obteve excelente classificação e tornou-se uma competente assessora. E soube conciliar muito bem o emprego com a casa, um verdadeiro paraíso doméstico.

Já Alaurinda, que fez da música uma profissão, diplomou-se em violino pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Música, só música em sua vida. E foi como violinista, num concerto de nossa Sinfônica, regido pelo maestro Eleazar de Carvalho, lá no Espaço Cultural, que meus olhos a viram pela primeira vez, quando se executava a “Nona Sinfonia” de Beethoven. Linda como a primeira esposa, Alaurinda não quis que este cronista ficasse viúvo por muito tempo. E, assim, encontrei mais um motivo para viver. Com humor, ela dizia: “você é o meu viúvo lindo”. Não havia mais necessidade de filhos. Completavam-mo-nos muito bem. E nessa viagem da vida, fizemos muitas outras, à procura da beleza, que sempre foi o grande objetivo de nossa vida. A violinista só não gosta de um sol intenso na pele delicada. Só o sol da pauta é que ela suporta.

Com dois casamentos, que nunca chegaram a desafinar, dois filhos que vieram enriquecer minha vida, só posso me considerar um homem feliz. Sem esquecer os netos que o primogênito me deu. Carlos, o Tuquinha, e Raíssa. Graças a eles, ouvi, pela primeira vez, a palavra vovô. A mãe deles, minha nora Ana, é a suavidade em pessoa. E o Físico, já que estivemos falando de música, afinou-se bem com ela. Ele nasceu em Campina Grande, na manhã em que Getúlio Vargas se suicidou. E eu fiquei entre duas fortes emoções: a morte de um líder e o nascimento do primeiro filho.

Um filho campinense e o outro pessoense. Um nascido perto de silenciosas e místicas montanhas e o outro abrindo os olhos para o mar de Tambaú...
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário