A lição da tolerância

Um dos orgulhos de meu pai, José Augusto Romero, o bom orgulho, saliente-se, é ter sido correspondente assíduo do maior médium do mundo, Francisco Cândido Xavier, o boníssimo Chico, quase cego, de cultura primária, mas, assim mesmo, psicografando obras de caráter científico, que eu mesmo encontro dificuldade de entender, a exemplo de “Mecanismos da mediunidade”, de André Luiz, “Evolução em dois mundos”, e “Pensamento e vida”, de Emmanuel.

José Augusto Romero foi eleito por aclamação e presidiu a Federação Espírita Paraibana durante 44 anos. Só deixou o cargo por questões de saúde. E que delícia de passes magnéticos ele me dava. Tolerante, sereno, responsável, severo em algumas coisas, sobretudo quando soube que, para me casar com a minha primeira esposa, Carmen, esta me pediu para que eu fosse batizado na igreja católica. A princípio relutei, mas o amor venceu a barreira que se antepunha entre nós dois. Resolvi atender à rogativa da noiva.

Para o batismo exigia-se uma preparação. E foi um bispo, amigo da família da noiva, que se encarregou deste ofício. O simpático sacerdote fez uma ligeira preleção sobre o batismo. E, sabedor de que eu era espírita, muito me surpreendeu quando disse que simpatizava muito com o Espiritismo e que o importante era amar a Deus.

Do meu pai nenhuma reação. Compreendeu a situação e foi um dos primeiros a comparecer ao meu batismo, lá na Igreja das Graças, em Recife. Aí eu vi como eram grandes a sua tolerância e compreensão. Assistiu ao ato religioso com muita serenidade. Minha noiva, Carmen, não cabia em si de contente. E uma de suas tias, por sinal muito carola, quando me viu depois de batizado, abraçou-me e disse: “Você agora está sem pecados. Você agora é um anjo”. E eu cheguei a sentir que estava criando asas...

Toda reação ao meu estado de pagão foi da família da noiva, principalmente de minha sogra Isaura, viúva do grande arquiteto Clodoaldo Gouveia. Ela era muito católica e fanática. Não queria falar em Espiritismo, mas depois que Carmen desencarnou, foi a primeira a indagar: “alguma notícia dela?” Ela já estava acreditando no intercâmbio mediúnico. Não quis acreditar no que estava ouvindo...

Voltemos a falar sobre meu pai que morreu de câncer de próstata. Fui ao sepultamento de seu corpo, lá no Cemitério da Boa Sentença, numa manhã de muito sol. Muita gente compareceu ao enterro. Eu não cheguei a chorar, fui possuído de uma profunda serenidade. Fiz uma ligeira oração. E terminei dizendo: “Até logo, papai”. Na saída, vieram os pêsames dos amigos presentes, inclusive do governador e meu conterrâneo de Alagoa Nova, Pedro Gondim, que me disse, num cochicho: !que beleza de religião a sua! Quanta força ela lhe deu... ”

Não olhei para baixo. Não, meu pai não estava, ali. Elevei o olhar que me mostrou um céu muito azul e sereno. Cheguei a ouvir um passarinho cantando sobre um túmulo, como que saudando aquela manhã de sol. Imaginei meu pai, na vida espiritual, sendo muito bem recebido. E, sem dúvida, com muita saudade do caçula que ele tanto amou.

Para amenizar as saudades dele, selecionei suas crônicas publicadas, neste jornal, no livro “Lições da vida maior”. Não me esqueço de uma confissão que ele me fez, certo dia: “Meu filho, a grande lei da vida é a da reencarnação. A única que tem resposta para o problema do ser, do destino e da dor”.
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Um comentário:

  1. Valéria Montenegro22/12/13 12:06

    Deliciosa narrativa, caro amigo.
    Consta na história de vida de João Cabral de Melo Neto, que o grande escritor, "ateu convicto", pouco antes da passagem convertera-se à religião Católica, com direito a batismo, crisma e extrema unção. Vá que exista vida além da vida, deve ter pensado ou então, nos estertores da despedida, tenha pressentido que o fim não era mesmo o assim imaginado pela sua colossal inteligência.

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário