Onde estaria a felicidade?

Vi, numa foto do jornal, dois grupos de casinhas populares, de uma porta, duas janelas e uma rua no meio. Lembraram-me crianças, de mãos dadas, cantando o “marré-marré”, cantiga que ouvi muito, quando menino, ao tempo em que as ruas ofereciam segurança. Quase que não havia automóveis. O silêncio dominava a cidade impondo segurança absoluta às pessoas. Que lindo as crianças, pra lá e pra cá, cantando e namorando, que a vida não corria. A vida se escorria, sem pressa.

Pois bem, a foto que vi no jornal me trouxe essa lembrança, dois grupos de casinhas, lado a lado. O que uma tinha, todas tinham. Só não tinham quintais, quintais de terra batida, cheios de fruteiras, de galinheiro com galos cantando. As casinhas não tinham terraço na frente. Nenhuma podia se orgulhar. Ver uma era ver as outras. Não esquecer que eram casas de pobre, casas populares, que não tiveram engenheiros, nem arquitetos para construí-las.

E eu fiquei a refletir: será que à noite eles, os moradores, se reúnem para conversar, para fofocar, para se divertir? Evidente que sim. O ser humano necessita tanto de conversar como de se alimentar, e de respirar. Sem comunicação o homem morre. Ninguém nasce para viver isolado. Ninguém passa sem o outro, o outro, que para o filósofo Sartre é o inferno, como se ele, com seu habitual mau humor, fosse o paraíso para os outros.

Mas voltemos às casinhas, dir-se-ia de mãos dadas, lado a lado, longe das alturas, sem necessidade de elevadores, sem a presença de vigilantes, sem estacionamentos para automóveis, sem orgulho, sem piscina, sem “spa”, cinema, “kid-club”, espaço gourrmet... As casinhas que eu vi na foto do jornal, não têm nada disso. Tenho certeza, porém, que seus moradores se vêem como irmãos e nenhum deles pretendem ser mais ricos que os outros. Outra coisa: todos eles podem entrar e sair de suas casinhas, sem problema. Não são prisioneiros do conforto como os que moram “lá em cima”.

E me vem a indagação: os prisioneiros do luxo, da riqueza e do conforto são felizes? Dormem tranquilos? Volto a olhar a foto no jornal. Só lamento é que não tenham arborizado a rua que passa entre as casinhas, como um rio... Será que houve festa na inauguração ou no “lançamento” daquele conjunto habitacional?...
O AUTOR
Carlos Romero é escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras e tem a crônica como forma literária favorita. Um estilo no qual retrata com forte dose de lirismo e humor suas sensíveis observações acerca do cotidiano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário