A quem agradecer?

Foram tantos os que colaboraram nesta nossa recente viagem, às terras de além-mar, quando nos ausentando por uns quinze dias, da bem amada terrinha, que não troco por nenhuma outra. É que, aqui, a gente deixa a nossa alma, a começar por esta João Pessoa, de quem hoje sou cidadão, graças à iniciativa de meu amigo Fernando Milanez, cujo pai deu-me lições de cavalheirismo e dignidade.

Mas, vamos à viagem, que me fez sair da rotina para a aventura. É bom, vez por outra, pular o círculo da rotina e arrojar-se à aventura. Dizem que se você riscar, com giz, um circulo no chão, e colocar nele um peru, o bichinho fica parado, não pula o risco, com medo, Assim, se possível, atravessemos, vez por outra, o nosso círculo, seja para um passeio a Londres, seja à Sousa ou Riacho dos Cavalos, em nosso pleno Sertão, onde nasceu meu amigo cabeleireiro Josias, do salão “Center Bella”.

Pois é, pulei mais uma vez o círculo de giz e saí numa nova aventura. com meus adoráveis familiares, como sempre costumo fazer. Mas, alem dos queridos familiares, que tal agradecer a... A quem, cronista? Aos que, em geral, ninguém se lembra de um agradecimento, a começar por estes meus olhos, que na viagem só fizeram registrar belezas por este mundo afora. Belezas naturais, belezas culturais, belezas humanas. E, para mim, o fenômeno humano está em primeiro lugar. Somos os outros. Já imaginou visitar Londres, Paris, Viena, Nova Zelândia, com suas ruas sem ninguém? O mar, por mais belo que seja, como o do nosso Tambaú, necessita do olhar humano.

Mas, como ia dizendo, graças aos outros, é possível viajar. Quantas mãos nos ajudando! Os que nos transportam, os que nos alimentam, nos hospedam, cuidam da limpeza dos nossos quartos de hotel, dos que vendem coisinhas lindas da terra que visitamos... Dos taxistas, que conhecem a sua terra na palma da mão.

Ergamos um brinde aos nossos humildes pés, aos nossos privilegiados olhos, às nossas mãos, aos ouvidos que nos levam a ouvir concertos maravilhosos.

Mas não esqueçamos dos outros. Sem eles não sairíamos do círculo de giz da rotina. Viva a nossa interdependência que a moderna tecnologia cada vez mais estimula. Graças a ela, a saudade está morrendo, e o distante cada vez mais perto...
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário