Quem matou Freud?

Quem foi que matou o eminente psicanalista, que descobriu uma coisa que vivia oculta há muito tempo, mas que ele com a sua perspicácia, desvendou? Terá sido algum lugar? Não. Alguma invenção, como o avião de Santos Dumont? Também não. Ele descobriu o nosso inconsciente, este porão de muitas das frustrações e inibições que nos chegam à superfície.

Mas, por causa dessa descoberta, o famoso psicanalista sofreu o diabo, sobretudo, dos seus colegas de profissão. E o pior é que é que ele achou de dizer que a libido, a energia sexual se manifestavam no nosso inconsciente.

Freud escreve uma obra que teve o efeito de uma bomba, denominada “Interpretação dos sonhos” e que veio à luz no início do século passado. Ora, ninguém antes dele pensou nisso. Desde que o mundo é mundo, que o homem sonha. Sonhos agradáveis, sonhos maus, que são os pesadelos; sonhos que nos deixam alegres ou deprimidos. Mas ninguém pensou que o sonho é a chave que abre o nosso inconsciente.

Quem trabalhou muito com ele, nesse negócio de psicanálise, foi o mestre suíço Jung, seu discípulo por algum tempo. Mas depois discordou do mestre, sobretudo no que tange à libido. Freud via sexo em tudo. Até no sugar do seio materno, por parte da criança.

A verdade é que o mestre vienense, sendo judeu, foi perseguido pelos nazistas, no tempo de Hitler. Os nazistas chegaram a impedi-lo de trabalhar. Humilhado, perseguido pelos asseclas do Reich, o eminente pensador viu Londres como um bom refúgio. E os nazistas impuseram um elevado pagamento, isto é, um resgate, que foi pago pelos amigos.

Só assim o mestre pôde ficar em paz. Estava livre dos inimigos. Ele só não se livrou do tabagismo, que lhe provocou um câncer na boca, o que o fez sofrer por muitos anos. E informam que sua boca exalava tanto mau cheiro, que o seu cãozinho saía de perto dele.

Curioso, a maioria dos biógrafos de Freud não informa de que o mestre morreu. Estranho, não? Pois é, o famoso psicanalista, que teve tantos inimigos, inclusive o Nazismo, não pôde se livrar do maior deles: o fumo, em forma de charuto. Seu sofrimento foi terrível. Submeteu-se a mais de trinta cirurgias. E saber que muita gente ainda continua soltando suas baforadas venenosas para desespero dos pulmões. Ainda bem que em tempo, eu larguei o fedorento vício...
O AUTOR
Carlos Romero é escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras e tem a crônica como forma literária favorita. Um estilo no qual retrata com forte dose de lirismo e humor suas sensíveis observações acerca do cotidiano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário