As superstições de Sabiniano


Ora, ora, indagará você: Quem é Sabiniano e quais são as suas superstições? Ele, Sabiniano Maia, foi um homem admirável. De estatura baixa, calvo e de uma voz mansa. Mansa a voz, manso o comportamento. Nunca o vi zangado. Católico até os ossos, era o que se costuma dizer: um homem em paz com a sua consciência. Chegaria a acrescentar: temente a Deus, como também se costuma dizer, embora, erradamente, pois Deus não é nenhum Satanás para impor medo, sobretudo aos próprios filhos. Deus é amor.

Mas vamos adiante. Sabiniano era político, mas um político honesto, incapaz de uma desonestidade, de um desvio de verba, tão comum hoje em dia. E lembrar que ele era dado às letras. Escreveu livros e foi jornalista. Tanto é assim, que foi convidado para diretor deste jornal, A União, na época da Ditadura. Quem governava o Estado, naquele tempo, era o desembargador Severino Montenegro. Foi quando o nosso tradicional matutino ficou reduzido ao Diário Oficial. Pois bem, Sabiniano, que gostava muito de mim, chegou ao ponto de dizer: “o Diário é oficial, mas vou ver se abro um pequeno espaço para uma crônica sua”. Aí eu vi que o homem me tinha muito apreço.

Sabiniano, como já disse, era político e como político exerceu o cargo de prefeito em Campina Grande e Guarabira, se não me engano. E como edil foi de uma honestidade Admirável. Nenhum deslize. O dinheiro público para ele era sagrado como a hóstia, já que ele era um fervoroso católico.

Alma sensível, Sabiniano, vez por outra, escrevia uma crônica. Crônica suave e lírica. E escreveu livros, inclusive um intitulado “Superstições”, editado pelo jornal católico “A Imprensa”.

Mas foi Altimar Pimentel, que num texto chamado “Dia do Folclore”, analisou a obra de Sabiniano, concluindo com as seguintes palavras: “Muitos foram os que escreveram sobre as nossas tradições populares. José Américo de Almeida, Coriolano de Medeiros, Mário de Andrade, Ariano Suassuna, e Sabiniano Maia.

E as tradições estão muito bem ilustradas em “Superstições”. O livro é gostoso de ler. A pesquisa de Sabiniano foi longe. Lendo-o é que percebemos como somos supersticiosos. Vejamos algumas que andei pescando no seu livro, que está a merecer uma reedição.

Mas para encerrar, vejamos algumas superstições: “Criar pombos dá azar”; “Gato miando no telhado também”; “Coceira na palma da mão traz dinheiro”; “Entrar com o pé direito em casa, sempre traz felicidade”; “Canto de grilo traz dinheiro”; “Quem passar debaixo de um arco-íris muda de sexo” - ora vejam só...

São numerosas as superstições populares anotadas por Sabiniano. Só assim ele esquecia o prosaísmo dos relatórios de prefeito.
O AUTOR
Carlos Romero é escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras e tem a crônica como forma literária favorita. Um estilo no qual retrata com forte dose de lirismo e humor suas sensíveis observações acerca do cotidiano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário