Os retratos da imortalidade


É bom ser imortal, mesmo que seja uma imortalidade acadêmica. Já pensou a gente estar sempre lembrado? O esquecimento é como a morte. Mas, a lembrança é vida. Daí os monumentos, as estátuas, os bustos, os nomes de rua e praças, os livros, a arte. Ninguém deseja ser esquecido. Ser esquecido depois de morto é morrer duas vezes.
E haverá melhor remédio para o esquecimento do que o retrato? Ah, os retratos na parede! Mas, pena é que muita gente esquece os retratos, por conseguinte as pessoas que neles estão. Outrora, nas famílias havia o culto ao retrato, seja na parede ou nos álbuns de família. E até oração se fazia em louvor aos que ali estavam representados.
O retrato foi inventado para matar o esquecimento. Voltando porém à imortalidade acadêmica, lá na nossa Academia de Letras, os acadêmicos que saíram deste mundo estão sempre lembrados na bonita galeria de fotos. Eu quando vou à Academia sempre dou uma olhada para eles. Mas pouco fazem isso. Somos muitos esquecidos. Retratos na parede... Eles se fazem presentes com o seu silêncio. A galeria da imortalidade de nossa Academia acaba de ganhar mais um retrato. É de uma mulher. A primeira a se juntar aos homens imortais. E sabe de quem é essa fotografia? É da nossa Mariana Soares que está ali entre os homens, com aquele meigo olhar. Uma grande cronista a quem tive a honra de saudar, por ocasião de sua posse. Mariana era de uma sensibilidade comovente. E saiu deste mundo de modo tão desastroso, tão precoce. Foi vítima de um acidente de automóvel, na estrada que nos leva à praia de Jacumã, onde ela ia refletir, caminhar, pedalar, sonhar e passear à beira-mar, sempre acompanhada de seu filho Marquinhos, que ela adorava.
Agora me veio a vontade de gritar: Senhores imortais não se esqueçam de passar ou passear os olhos naqueles que já não estão, aqui, em carne e osso. Lembrem-se sempre deles.
Repito, esquecer é matar a pessoa duas vezes. E se você for religioso que tal uma prece ou uma reflexão? A galeria dos imortais da nossa Academia também deseja se confraternizar, participar das festas da Casa de Coriolano de        Medeiros. Vale lembrar que o atual presidente    Damião, com sua acuidade, pretende fazer outra galeria em homenagem aos patronos.
Voltando à Galeria dos Imortais, eu penso que eles ficam muito tristes quando as solenidades de posse dos senhores acadêmicos acontecem noutro lugar, onde eles não são vistos, nem lembrados.
 E estejamos sempre participando da vida social daquela entidade, Afinal, o espírito de solidariedade entre os imortais deve estar sempre aceso. Depois, a entidade jamais deve ser uma entidade de manequins. Os manequins, como sabemos, não se comunicam.

Que voltem sempre os chás, com as saudáveis troca de idéias. Nada, portanto, de "isolacionismo". Até os retratos na parede lastimam a ausência de alguns imortais às eleições e promoções sociais da Academia... 
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Um comentário:

  1. Excelente crônica !!! Parabéns ao seu autor, Carlos Romero. Edilson Egito, médico.

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário