Livros como brinquedo

Se recuarmos no tempo, constataremos que antes era muito diferente. Os livros viviam distantes dos olhos infantis. Livro mesmo era para gente grande, conquanto respeitemos algumas exceções. E quer ver uma exceção? Eu era um quase adolescente e minha mãe me veio com um livro de autor paraibano, o nosso José Lins do Rego. O livro era “Menino de Engenho, que se fez famoso e terminou virando filme. Minha mãe ia lendo a história, que muito me comoveu. Muito mais adiante, por mim mesmo, li dois livros que me encantaram: o famoso “Pequeno Príncipe”, de Exupéry e “O menino do dedo verde” de Druon.
Mas, com tristeza lembremos que as livrarias, de uns tempos atrás, quase não vendiam livros infantis. Daí não vermos crianças numa livraria, só adultos. Aliás, aqui para nós, que nossos amigos estrangeiros não ouçam, as livrarias, pelo menos em algumas que visitei, só são visitadas pelos adultos. Pelo menos em Londres, Berlim, muitas livrarias lembravam museus. Nenhum garotinho, acompanhado dos pais, folheando um livro. Até mesmo na minha encantadora Paris, que é, sem dúvida, a cidade dos livros, não vi criança sentada no chão com um livro sob seus olhos. Por outro lado, nos museus, vez por outra, vemos turmas de alunos assistindo aulas de arte e história, diante das obras originais.
Não há veiculo melhor para a educação de uma criança do que o livro. Ergamos um brinde às editoras que editam livros infantis. O grande Monteiro Lobato, brasileiro autêntico, escreveu uma bela bibliografia infantil. E foi ele quem despertou meu gosto pela literatura. O poeta Castro Alves deu aquele grito, que ainda hoje ecoa aos nossos ouvidos: “Oh! Bendito o que semeia. Livros à mão cheia... E manda o povo pensar. ”
Estúpidos os pais que não despertam o gosto dos filhos pela leitura de bons livros. Ora, ora, mas há muito tempo que venho observando, aqui em João Pessoa, nas livrarias Saraiva e Leitura, um fato que me encantou: espaços destinados especialmente aos livros infantis, onde os garotos fazem deles verdadeiros brinquedos. E os pais são os primeiros a estimulá-los para a leitura. As crianças, no seu entusiasmo, correm pra lá e pra cá em busca de livros nos mostruários.
E o que mais me surpreendeu foi ver um pai mandar que um filho colocasse o livro que leu, de volta ao lugar donde o tirou... Que belo exemplo! De parabéns as livrarias, de parabéns aqueles pais.
A leitura ainda é o melhor alimento para o espírito. E viva o livro, lembrando que a Bíblia, na sua velha sabedoria, já disse que “Fazer livros não tem fim”.

E antes de pingar o ponto final, lembrar que saiu uma notícia em que se pretende que um presidiário leia, pelo menos, três livros, o que, decerto, irá amenizar a pena. Mas que livros seriam? Aí é que está o problema, pois o ideal é que seja uma leitura salutar, que lhe desperte sentimentos sadios, que lhe explique o sentido da vida. Há muitos livros de autoajuda que ensinam a difícil problemática da vida. Mas, em todo caso, a idéia de levar a leitura ao presidiário merece aplausos, assim como às crianças.
O AUTOR
Carlos Romero é escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras e tem a crônica como forma literária favorita. Um estilo no qual retrata com forte dose de lirismo e humor suas sensíveis observações acerca do cotidiano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário