A Natureza, o homem e Deus


Eis aí uma trindade que poderíamos chamar de santíssima. Pobre do homem que lhe é indiferente, que não transcende, amando a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Mas muita gente se equivoca, achando que o seu amor à Divindade é possível sem o outro. Já se disse que o outro é a ponte que nos leva a Deus. Mas além do homem, além do próximo, temos a Natureza, que é a mais sublime expressão divina. Quem não ama a Natureza, não ama a Deus. Não há prece mais bela do que aquela que fazemos quando penetramos num bosque, cujo silêncio vale como uma oração muda, Infeliz do homem que nada sente diante da Natureza, seja um bosque, seja uma praia.
Mas voltemos à trindade que é divina: Deus, o Homem, e a Natureza. Se não estou lembrado, há um belo livro, escrito por Flamarion sob o título: "Deus e a Natureza”.
E que seria do mundo sem essa trindade? Trindade que serviu de temática ao estupendo Beethoven. Sua terceira sinfonia, cognominada de "Heróica", é uma homenagem a um herói, que não é outro, senão Napoleão Bonaparte. Mas esse herói se tornou uma grande decepção para o gênio de Bonn, que terminou decepcionado com o seu ídolo. Daí ter rasgado a dedicatória em sua homenagem.
Mas voltando à Natureza, Beethoven dedicou-lhe três lindas páginas musicais: a sonata para piano, chamada Aurora, a Sonata ao Luar e a Sinfonia Pastoral. A Aurora foi inspirada no canto da cotovia, que lindo! Nesse tempo ele ainda não sofria da surdez, Podia ouvir os pássaros, as cachoeiras, o vento fazendo as árvores dançar. Segue-se a Sinfonia Pastoral, uma sinfonia que eu ouço quase todos os dias e que me faz gozar a Natureza sem largar este computador. A Pastoral começa com uma jornada pelo campo, e eu fico a imaginar o genial Beethoven longe da intrigante vida social, da vulgaridade e da maldade. O gênio em busca de transcendência. E ele chega a descrever, através das notas musicais, uma tempestade, com seus ventos, seus relâmpagos e trovões.
Voltando ao homem, Beethoven o escreve na quinta Sinfonia, denominada de Sinfonia do Destino, onde o gênio descreve a luta do homem frente ao Destino.
E terminando a crônica, não podemos deixar de citar a sua última sinfonia, aquela que é uma espécie de Oração Divina, em que o homem se sente sublimado e, ao invés de choro ou lamentações, solta um brado de triunfo, um grito de alegria, um grito de exaltação e alegria interior.
Beethoven, apesar de surdo, entoa um hino de euforia em homenagem a Deus. Um surdo que fez e continua fazendo muita gente ouvir e saudar a Divindade.

Deus, o Homem e a Natureza, eis a sublime e significativa trindade a que não podemos ser indiferentes. Mas está chegando a noite e será que a lua vai desfilar na praia de Tambaú? Aí o negócio é ouvir a Sonata ao Luar, do grande surdo, outra página musical dedicada á Natureza, que tanto o inspirou.
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário