Questão de Justiça






Sim, leitor, eu me orgulho de ter assistido ao nascimento do Correio das Artes, suplemento de repercussão nacional. Seu lançamento na manhã de domingo, de 17 de março de 1947, pelo jornal A União, fez inveja a muita gente lá de fora, sobretudo da imprensa pernambucana, onde o poeta Mauro Mota mantinha uma página sobre Letras.
Mas, a quem devemos realmente o lançamento do Correio das Artes? Devemos a um grupo, liderado por Simeão Leal, homem de muito prestígio no Ministério da Educação e que, ao lado do poeta pernambucano Edson Regis, a quem confiou a feitura do suplemento, com uma dedicação extraordinária, realizaram o grande feito. Nessa época quem dirigia este jornal A União era Sílvio Porto, sendo governador do Estado Osvaldo Trigueiro, um homem que muito nos impressionava pela postura. Um verdadeiro diplomata, que fez questão de oferecer um almoço no Palácio da Redenção em homenagem ao Correio das Artes.
Foi um momento de muita confraternização. O governador parabenizava a todos, um a um, não só pela moderna feição do suplemento, mas pelo alto nível das colaborações.
Muitos escritores do sul, assim como poetas e pintores, fizeram questão de colaborar com o Correio das Artes, aberto a todas vocações. Hermano José, nosso artista plástico, ilustrou várias páginas do suplemento com os seus belos desenhos. O romancista paraibano José Lins do Rego fez questão de trazer sua prestigiosa colaboração.
Sob o titulo “Antologia dos Poetas Paraibanos” o Correio abrigava as colaborações de muitos poetas de valor. Até um inédito do nosso Augusto dos Anjos foi divulgado. O musicista João da Veiga Cabral mantinha uma coluna sobre música erudita, que veio valorizar ainda mais o suplemento. Outro grande colaborador foi o poeta e livreiro, autor de livros, Eduardo Martins, com os seus “haicais”.
Coube-me a direção da página “Na Espadana Branca”, título sugerido pelo poeta Edson Régis. Neste espaço eu fazia o noticiário de livros. O primeiro número do Correio trouxe um conto meu, intitulado “Noturno”, seguindo de outros. Acontece que minha primeira esposa, Carmen, mostrou-se meio enciumada com os personagens do sexo feminino, que eu narrava nos meus contos,e ela queria saber “em quem eu estava me inspirando?”. Isso foi o bastante para eu tentar outros gêneros e a crônica me pareceu o melhor, com o qual venho me dando bem.
Mas, voltando ao “Correio das Artes”, que recentemente foi repaginado, deixando de ser suplemento para ser uma revista, por sinal muito bem feita, o seu surgimento teve repercussão nacional. E estou aqui com uma coleção encadernada do Correio das Artes, que guardo com uma preciosidade.
É preciso lembar que o último número dessa coleção traz uma entrevista que fiz com o então deputado, escritor João Lélis, ex-diretor deste matutino. E, por uma questão de justiça, na história de Correio das Artes, não devemos esquecer o governador Oswaldo Trigueiro, o Dr. Simeão Leal, nem o poeta Edson Régis.
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário