Só vendo para crer


Germano, meu filho e mestre, escreveu, outro dia, em sua coluna no Correio da Paraíba, uma crônica sobre a Nova Zelândia exaltando as belezas daquele país, com destaque para suas enormes montanhas, espetáculo que tanto o maravilhou, na nossa segunda viagem àquela ilha, isolada de tudo, entre o Oceano Pacífico e o Mar da Tasmânia.
E como os meus, os olhos dele se juntaram na mesma emoção. Aqui para nós, é um espetáculo único no mundo. São quilômetros e mais quilômetros entre florestas primitivas e montanhas, com a estrada se curvando pelo meio. Montanhas imensas, gigantescas agarradas umas às outras, como se estivessem brincando de ciranda. Nunca um silêncio falou tão alto. Era a voz de Deus, o autor daquela maravilha da Natureza. E assim íamos entre as matas e as montanhas. Curioso, não vimos pássaros voando sobre aquelas montanhas, mas, segundo Germano, que se adentrou pela floresta, ouviu-os cantar lindamente. Mas, o bonito mesmo eram as cascatas que desciam daquelas alturas, silenciosas e belas, como se fossem lágrimas. Será que as montanhas choram?...
Lembrei-me, ligeiramente, de Atenas e do Havaí, cujas montanhas também são belas, juntamente com as ilhas.
Mas, como já disse, essas montanhas da Nova Zelândia são um espetáculo único no nosso planeta. Elas pareciam que estavam resguardando as cidades de qualquer ataque, de qualquer invasão.
Em baixo, vez por outra, um rio ou riacho correndo, alimentado pelas cascatas. E nada havia além do silêncio, a única música que se ouvia naquele ermo.
Germano dirigindo o carro, por sinal pela mão esquerda, coisa de inglês. Seus olhos de arquiteto chegavam às lágrimas. A verdade é que aquelas montanhas falavam. Pareciam querer proteger a Natureza contra a invasão do homem.
E a contemplação de uma montanha vale por uma prece, assim como contemplar o mar. Mas o mar – desculpe-me a Nova Zelândia – só o de Tambaú ou de Manaíra, que estão a exigir mais cuidado do Poder Público, sobretudo pelo lixo e contaminação de suas águas.
Nossas praias são um local ótimo para a meditação. E nada de patins e patinetes no passeio público, ameaçando a integridade física das pessoas.
Impossível esquecer as montanhas da Nova Zelândia, só vendo para crer.
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário