A Nova Zelândia de novo


Não satisfeita com a primeira viagem, eis que a nossa equipe projeta a segunda viagem à Nova Zelândia, aquela ilha perdida no Pacífico com o Japão lá em cima. O dedo deslizando no Mapa num instante chega lá, mas de avião... São 14 horas de vôo, somente no último trecho sobre o Pacifico. Vôo direto, sem escala. Na nossa primeira viagem, minha sobrinha cardiologista, lá de São Paulo me telefonou, dizendo: cuidado com essa longa viagem. Não se esqueça da meia de pressão para evitar trombose. E para quem já teve uma... Cumpri a recomendação da médica e enfrentei o problema. E sabe que cheguei a gostar da viagem? Na aeronave da LAN Chile nada faltava. E ainda me recomendaram fazer, ali, um ligeiro “cooper”. E lá vou eu num caminho estreitíssimo entre poltronas cumprindo a recomendação. Veja o leitor como é importante, vez por outra, movimentar as pernas. O sangue corre que é uma beleza.

Depois de saltarmos de um trampolim, após uma escala em Santiago do Chile (ah, cidade para eu gostar...) nos atiramos no abismo oceânico, armados de nova coragem para o segundo vôo, de 14 horas. E nada de trombose. Dessa vez a viagem foi uma beleza. Viajar é mesmo sonhar. Foi numa madrugada que aterrissamos naquela ilha paradisíaca. Aeroporto de primeira. Mas, o frio me encabulou. Quanta roupa por cima e por dentro. Descemos em Auckland, que já foi capital e que muito nos encantou.

Agora Nova Zelândia estava mais íntima. Um povo educadíssimo. Educação no trânsito, educação nos restaurantes, educação na rua, educação nos hotéis, educação em tudo. Impossível ouvir uma buzina insistente de automóvel. Silêncio absoluto nas ruas. E que cidade agradável essa Auckland! Cidade de todas as idades, desde aquela elegante senhora, com seus oitenta ou mais anos, ao garoto com um iPhone no ouvido, discutindo não sei para quem.

Mas o que mais me encantou foi a limpeza da cidade com o seu chão colorido. A cidade não tem um buraco no chão, mesmo do tamanho de um dedal. E caminhando, eis que vejo um espaço cheio de livros, com bancos, para você e descansar. Tudo de graça. Ninguém pensando em levar um livro para casa. Ah, leitor, não perdi tempo. Sentei-me num puff e fiquei folheando uma revista. Quantos livros à disposição de quem quisesse ler...

Auckland! Quase toda plana. Sem trânsito ostensivo. Mas, o sol se esqueceu de aquecer o cronista. Um sol que iluminava mais do que esquentava.

A noite foi chegando e a gente nem deu fé do tempo. E cadê a Natureza dessa decantada Nova Zelândia. A Natureza que é o seu cartão de visita? Fica para depois, pois a fome começa a apertar. O restaurante que nos acolheu, servido por duas garotas bonitas e educadas, que quando descobriram que éramos brasileiros, foi uma festa. Ah, Brasil para ser amado e exaltado!...

Pois é, leitor, o nosso país tem qualquer coisa de lendário. Espero, como já dizia o grande Zweig, que ele seja ainda o país do futuro.

Mas, a crônica está terminando, agora dispondo de espaço maior, o que faz aumentar a responsabilidade do cronista.
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário