Paris no frio


Fui a Paris, recentemente, com os meus familiares, que, ao contrário de mim, adoram o frio. Minha pele é receptiva ao calor, pois, conquanto nascido numa terra fria – Alagoa Nova – prefiro o fogo ao gelo. Mas, aqui para nós, o bom mesmo é nem muito calor, nem muito frio. Quando os dois se casam é uma beleza.
Mas mesmo fria, mesmo molhada, Paris é Paris. Encanta aos nossos olhos. As pessoas passando nas avenidas como fantasmas, ou melhor, como sombras, mas enchendo os restaurantes, abrigando-se do frio. E num deles, olho-me no espelho e não me agrada a imagem que o espelho me devolve: de touca e de luvas, coisa que eu detesto. Nem parece aquele cronista de short e tênis, caminhando pelas calçadas de Tambaú.
Mas, a primeira vez que vi Paris foi no inverno. Como sofri! E dessa viagem, que faz tempo, resultou o meu livro de crônicas, “O Papa e a Mulher Nua”
Mas se o frio é mais rigoroso à noite, já de dia, o sol aparece, ainda que meio tímido. Revi os meus recantos preferidos, a começar pelo Quartier Latin, sem esquecer a Sorbonne, onde há, por perto, excelentes livrarias. A escultura de Augusto Comte e um bom restaurante, onde eu e Alaurinda fizemos um lanche. Germano, que comanda a nossa viagem, foi com o nosso amigo Davi, buscar os bilhetes para a ópera de Ravel, “O Menino e os Sortilégios”, que vimos no Palais Garnier.
Como disse, Paris, de dia, mesmo no inverno, dá para passear, tirar o gorro e as detestáveis luvas.
E os metrôs? Gosto muito de andar neles. Transporte seguro, conquanto apressado. Entro e saio nos vagões com um certo medo de um tropeço, sobretudo na hora do rush. O metrô é um autêntico retrato da vida. Todo mundo correndo, todo mundo de cara fechada, ninguém querendo olhar para ninguém. É este o retrato da cidade grande. Os homens virando máquinas, robôs.
Tudo ia muito bem, quando, com o metrô ainda parado, um rapaz cai no chão com ataque parecido com epilepsia. Retirei os olhos. O trem teve de passar muito tempo parado, esperando o Samu. A cena foi comovente.
O metrô e seus passageiros, tão apressados, tiveram que parar diante do sofrimento humano...
O AUTOR
Carlos Romero é escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras e tem a crônica como forma literária favorita. Um estilo no qual retrata com forte dose de lirismo e humor suas sensíveis observações acerca do cotidiano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário