Eudes Barros, uma inteligência brilhante



Eudes Barros é meu irmão por parte de mãe, e com ele convivi por muitos anos. Nasceu em Alagoa Nova, onde viveu algum tempo. Certa manhã, ele, ao ver um pingo de chuva na folha de uma árvore, gritou, entusiasmado, para sua mãe: “olhe uma lágrima do céu”. Esse desabafo lírico muito impressionou mamãe, que só fez dizer: “este menino é um poeta. ”
A profecia se realizou. Muito jovem ainda, ele escreveu seu primeiro livro de poemas, que intitulou “Fontes e paús”. E dedicou um dos seus versos à sua terra natal, a que ele chamou “sítio de mangueiras”.
De Alagoa Nova, ele veio morar na capital, onde passou grande parte de sua existência. O poeta lança seu segundo livro, ainda de poesias, sob o título de “Cânticos da Terra Jovem”, livro que teve grande repercussão, sobretudo pelo magnífico poema “Jesus brasileiro”. Nesse poema ele conclui que Jesus nasceu em nosso país crucificado numa cruz de estrelas. Informam que a repercussão do poema foi tanta, que chegou a ser declamado na BBC de Londres.
Eudes Barros não foi apenas poeta, mas historiador e jornalista, chegando a fundar um jornal intitulado “A Rua”, que funcionou por muito tempo na antiga rua Duque de Caxias. Jornalista vigoroso, polêmico, colaborou por muito tempo no tradicional matutino “A União”, sobretudo quando este jornal foi dirigido pelo genial Carlos D. Fernandes, a quem Eudes respeitava e admirava. Articulista, cronista, o nosso poeta também escreveu uma série de sueltos assinado por “Til”.
Cem por cento jornalista, ele chegou até a escrever nos jornalzinhos da Festa das Neves. Temperamento polêmico por natureza, dele podia se dizer: não tem papa na língua. E, certa vez, na administração do governador de Argemiro de Figueiredo, chegou a complicar o governo, dizendo na manchete de seu jornal que “a polícia estava tramando contra o governo”. Isto foi o bastante para ele ser agredido em pleno Ponto de Cem Réis por policiais. Mas Eudes soube se desembaraçar dos agressores, graças ao fôlego para uma boa carreira.
Era grandíssimo amigo do tribuno Botto de Menezes e de José Américo de Almeida. No plano federal, seu ídolo foi Carlos Lacerda. E ambos se correspondiam com regularidade.
De nossa capital, foi morar no Rio, onde colaborou por muito tempo, no Jornal do Brasil.
Poeta, jornalista e historiador. Como historiador escreveu “Dezessete”, seu primeiro romance histórico, que depois passou a se denominar “Eles sonharam com a liberdade”. O livro teve grande repercussão e teve como tema a Revolução de 1817. E como ensaísta, escreveu um primoroso estudo sobre Augusto dos Anjos.
Ele tinha um profundo amor à sua mãe, Pia de Luna Freire, que enviuvou muito moça, casando-se depois com o meu pai, José Augusto Romero.
Congratulo-me com o grande jornal A União, que vem prestando uma justa homenagem ao seu antigo colaborador. Um jornal para o qual Eudes sempre olhou com muita reverência.
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário