A aventura e a rotina


Eis aí duas coisas importantes na nossa vida. Queiramos ou não, somos rotineiros e aventureiros. Desde quando acordamos domina a rotina. Em grande parte de nossa vida, viramos robôs. E eu me lembro agora de um velho funcionário do Palácio da Redenção, que mal entrava no seu gabinete de trabalho, atirava o chapéu direto para o cabide. Que pontaria! Um admirável automatismo.
E por falar em rotina, lembrar que todo o nosso corpo é uma usina que funciona automaticamente. Que beleza! Já pensou se precisássemos pensar em cada passada que damos? Viva o senhor instinto!
Pensando bem, quase tudo é rotina em nossa vida. Mas o bom mesmo é a aventura. É esta que nos dá experiência. Quer ver uma gostosa aventura? A leitura. Tenho pena dos que não lêem. O velho Montaigne, depois de enjoado da vida, resolveu trancar-se na sua torre, isolando-se do mundo para escrever os seus excelentes monólogos. Também tenho pena daqueles cujo trabalho é uma rotina. É por isso que muita gente, da sexta à tarde para a segunda, vai procurar uma aventura. A rotina mata...
E a aventura de uma viagem? Conhecer nova gente, novos costumes, novas paisagens. Que bom. A gente vem de mente renovada para enfrentar a rotina, que ficou nos esperando. E com a alma renovada até a rotina é tolerável. A viagem traz novas experiências, e, com novas experiências, mais sabedoria. O sociólogo Donald Pierson colocou nos desejos fundamentais do homem o de novas experiências.
E para quem não gosta de viagem, a leitura é uma ótima sugestão para as novas experiências. Houve um escritor que escreveu um livro que tinha por título “Viajando na minha biblioteca”. A leitura também mata a rotina, graças à aventura do espírito.
Aqui para nós, nada mais triste do que um casal rotineiro... Mas, ora bolas, vou fazer agora a coisa mais rotineira da vida: a barba. Eis um ato que me entedia. Uma verdadeira tortura. As mulheres têm a menstruação, mensal, mas, fazer a barba é pior porque é todo dia. Disseram-me que sangue de rato acaba com a barba. Será?
Que venha a barba nossa de cada dia, o escovar dos dentes, os mesmos cumprimentos, os mesmos telefonemas, pois a rotina não nos dá medo. O que nos faz medo é a aventura. Mas, diz o ditado, quem não arrisca não petisca.
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário