Luz, mais luz!





Luz, mais luz ! Assim pediu Goethe, já perto de deixar este mundo. Ora, luz lembra o sol. Decerto, na sua terra gelada, naquele momento de despedida deste mundo, dominava o frio de um rigoroso inverno.
Andei, agora mesmo, puxando da prateleira, ao acaso, dois livros para reler, e os que me caem às mãos são: “A Parahyba e seus problemas”, do nosso José Américo e “Caminhos cheios de sol”, de Perillo Doliveira, ambos merecendo uma reedição.
Enquanto Perillo entoa um hino ao sol, José Américo, no seu livro, entre outros problemas, cita o problema da seca, que continua castigando o nosso sertão. Pelo tempo que persiste, até parece que se trata de um caso sem solução. É triste ver, nas fotos dos jornais o gado esquálido, morrendo de sede, os açudes secando, o sertão se acabando. Bem disse o nosso Euclides da Cunha que o sertanejo é antes de tudo um forte. Sim, apesar da seca, que o ameaça, há muitos anos, ele não arreda o pé de sua terra, que virou brasa.
E, aqui para nós, falaram tanto na possibilidade de trazer as àguas do São Francisco para minorar a seca nordestina, e pronto. Silencio absoluto.
Mas o de que mais admiro é a resistência do sertanejo. O diabo é que eu gosto muito de sol, de luz, de calor. Gosto de sol e gosto do mar. Daí eu achar lindo o nome Solemar, de um certo estabelecimento que não lembro qual é...
Apesar de nascer num lugar frio como o de Alagoa Nova, sou um apaixonado pelo sol. E a chuva, cronista? Sim, também gosto muito dela. Ler com chuva, dormir com chuva, refletir e sonhar com chuva também é belo. No entanto, na minha infância, minha mãe estava sempre dizendo: ”Saia da chuva, menino”. Ela nunca disse: “saia do sol”. O sol nos leva ao divertimento, a chuva à introspecção. Meu médico, outro dia, me recomendou: “você precisa tomar banho de sol” Ora, banho lembra água. Minha Alaurinda já disse, como violinista, que só suporta o sol da pauta. O outro sol ela só aguenta com muito creme no rosto.
Mas deixem-me me deliciar com este “Caminho cheio de sol”, do nosso Perillo. Pois, o bom mesmo foi o banho de sol que tomei, aqui no jardim. 
O AUTOR
Carlos Romero é escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras e tem a crônica como forma literária favorita. Um estilo no qual retrata com forte dose de lirismo e humor suas sensíveis observações acerca do cotidiano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário