O cachorro e o homem


Dentre os animais irracionais, o homem se afina muito com o cachorro em várias coisas. Talvez seja por isso que, de vez em quando, eles se tratem assim, entre si. Começa que o homem gosta do barulho, assim como o cão. Tão quanto gosta de briga. Está aí a TV cheia de notícias de guerras entre povos, que nunca terminam. Mas o cão tem a seu favor uma atenuante: ele é irracional. Domina-o o instinto.
Os outros animais, ao que saiba, são mais do silêncio. Vejam, por exemplo, o galo. Ele apenas nos delicia com aquele canto saudoso, pelas madrugadas, que faz a gente refletir. E foi esse canto que despertou Pedro, o apóstolo, para a negação. Isto é, quando o apóstolo negou perante os soldados e juízes que não conhecia o seu Jesus. Aí veio aquela prévia advertência do Mestre a Pedro: “Antes que o galo cante, tu me negarás três vezes.
Mas voltemos à crônica, ou melhor à tese: parece mesmo que só o homem é inimigo do silêncio. Engraçado que enquanto ele no útero materno, o bicho dorme que é uma beleza.
Campeão do barulho, o bicho-homem, vez por outra, está matando o silêncio, cometendo o crime do “silenciocídio”. E haja bombas no São João, no Ano Novo, nos gols do futebol. Bomba, esse fogo de artifício que é uma barbaridade e deveria ser proibido. E que dizer dos carros, notadamente as motos, e os liquificadores? Já ouvi dizer que uma certa senhora foi comprar um liquidificador e avisou logo ao vendedor que só gostava daquele que faz muita zoada. E vem agora a pergunta? por que as motos fazem aquele barulho ensurdecedor?
Mas, sabem que os que gostam do barulho, assim o fazem para evitar o silêncio que o obrigam a pensar? A reflexão para eles é uma tortura. O barulho é como a cachaça, faz-lhes esquecer a realidade da vida.
E vem a indagação: onde é que mais está o barulho? Ora, hoje ele está em toda parte. Até nas igrejas, vejam só. A missionária Tereza de Calcutá dizia que “para falar com Deus é preciso o silêncio”.
Concluo a crônica dizendo: o cachorro é barulhento, mas, lembremos que a seu favor está a atenuante da irracionalidade...
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário