O Menino da Manjedoura

O menino nasceu para melhorar o mundo. O mundo dos poderosos, dos fazedores de guerra, dos viciados do poder, que moram em palácios luxuosos, dos analfabetos do amor e doutores do ódio.

O menino nasceu com a difícil missão de salvar o mundo. Veio ensinar o caminho da felicidade, da concórdia e da paz. E sua primeira lição a da humildade, talvez a lição mais difícil do mundo. Ao invés de um palácio, escolheu uma manjedoura, ora vejam só. Isto é lugar para se nascer?  Mas uma estrela desceu à Terra para iluminar a manjedoura humilde. Nenhum palácio por mais luxuoso, foi iluminado daquela maneira.
Teve como pais um carpinteiro e uma mulher do povo. E cresceu na pobreza material. Não pôde frequentar uma escola, consequentemente, não recebeu diplomas de Mestre, nem PHD. Assim mesmo enfrentou um caloroso debate com os doutores da lei, com apenas doze anos. Donde teria vindo aquela cultura ?  O menino da manjedoura começou a perturbar os doutos, a provocar invejas, a inquietar os religiosos. Depois, o Menino da Manjedoura começou a dar vista aos cegos, a limpar leprosos, a movimentar paralíticos, praticar curas incríveis, sem ser doutor. Mas a sua missão na Terra era implantar o Reino de Deus. O Reino do amor, o da paz e da sabedoria. Mas, sozinho, como cumprir a sua missão? Teve de convocar gente para o difícil trabalho. E não foi à procura dos doutos, e sim, de humildes pescadores, que largaram suas redes, para acompanhar aquele homem de voz cativante, cujo olhar era de uma doçura nunca vista. Depois, foi atrás de comerciantes, de cobradores de impostos, que também atenderam ao seu chamado, sem tergiversar. O menino da manjedoura começou a sua jornada. 
E pelo crime de pregar o amor, do “amai-vos uns aos outros como eu vos amei”, foi acusado, condenado, insultado, humilhado e, por fim, pregado numa cruz de braços abertos e tendo como companheiros dois malfeitores. Mas, no alto da cruz, todo ensanguentado, ainda teve ânimo de pedir ao Pai perdão aos seus acusadores. Morrendo de sede, pediu água e lhe deram vinagre.
Estamos, neste Natal, comemorando o seu nascimento, cada um ao seu modo. Mas o que o Menino da Manjedoura deseja é que transformemos nosso coração numa humilde manjedoura. É no intimo de cada um que Jesus deseja nascer, pois, deixou o mundo rogando que amássemos uns aos outros.
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário