Confesso que chorei


Estive ouvindo recentemente a sinfonia nº 9, de Bruckner, mas, antes de assistir à mesma peça sob a regência do famoso maestro Herbert Von Karajan, que rege como quem está com raiva. Com o semblante solene, sério, de quem não está de bem com a vida, ele parecia arrancar as notas da partitura como se fossem espinhos. A sinfonia é de uma extrema suavidade, sobretudo, no final, que enternece, que nos transporta ao paraíso. Mas Karajan não perdia no rosto aquela severidade que o caracteriza. A cabeleira muito alva e bonita, o maestro austríaco nascido em Salzburg, terra de Mozart, de muita cultura, mostrava pouca doçura no semblante. E eu estava vendo a hora ele parar o concerto, e passar um carão em um algum músico desafinado.
E fiquei monologando: por que tanta carranca, meu Deus dos Céus? Do rosto bonito não saía nem um sorriso. Mais ainda: nem um meio sorriso. E o sorriso é como o sol, ilumina, alegra, estimula. Pus-me a refletir: será que o genial regente é sempre assim? Assim, diante da visão do mar, do crepúsculo, de uma árvore em floração? Dizem que o maestro austríaco nutria simpatias pelo Nazismo, logo com Hitler, que não era de sorrir.
Mas depois de Karajan, eis que passo a ouvir Leonard Bernstein, um homem que é a própria música. Ele não só externa um belo e humano sorriso, como chega até a dançar sobre o tablado. Era como se ele fosse a própria música. Ambas se fundiam numa comovente imagem. Bernstein! Como ele me comoveu chegando a provocar lágrimas! E fiquei a monologar, qual a razão de tão diferentes comportamentos? Por que a carranca de um e a doçura do outro?
Bernstein! A cabeça alva como a neve, um meio sorriso no rosto cheio de rugas, e todo o corpo vibrando, como se a orquestra em “tutti” ainda fosse pouco. O suor, os olhos, às vezes, se fechando, como se estivessem dormindo, e aquele sorriso que me fez chorar de emoção.

Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), cronista paraibano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário