Trindade não santíssima


Para falar a verdade, as três maiores tentações do homem são: o dinheiro, o sexo e o poder. E eu não sei qual é a mais forte. Talvez seja o sexo, pois se não fosse ele, não existiria a própria humanidade. Daí ser ele a atração mais forte. Os jornais, diariamente, dão notícia de abusos da sexualidade, em suas mais variadas expressões.
E o dinheiro? Quem diabo não o ambiciona, com exceção dos missionários, a exemplo de uma Tereza de Calcutá ou de um Chico Xavier. O dinheiro é o grande ópio do homem. Todo mundo o quer, e quando ele chega às nossas mãos, nunca ficamos saciados. Desejamos sempre mais e mais. Dinheiro é como água salgada, quanto mais se bebe, mais sede se tem. Mesmo quem estava desempregado e consegue um trabalho, ou quem recebe um aumento e passa a ganhar uma boa quantia, em pouco tempo estará insatisfeito.
Os detentores de grandes fortunas, os homens de negócio, vivem numa constante ansiedade. Ansiedade de faturar mais. E vem a competição, cada um desejando aumentar os seus lucros. Dinheiro, dinheiro, dinheiro e mais preocupações. A ganância não tem limites. E lá vêm o stress, as doenças... A vida se torna um inferno. Não se vive mais para si. Um inferno, apesar do dinheiro.
Por fim, vêm o poder e a política, também como tentações do homem. Na política investem-se fortunas com o objetivo de um bom retorno. E este nunca deixa de vir. Mas, toda regra tem exceção. Há os políticos que entram na política para servir e não para se servir. Há exemplos na nossa história. Raríssimos, mas existem. E aqui para nós, se um político gasta fortunas para se eleger ou se reeleger, é porque o negócio é bom...
Sexo, dinheiro, poder. Indiscutivelmente, é uma poderosa trindade. Trindade que não é santíssima e que, às vezes, se torna satânica.
Não esqueçamos as exceções. Pegue a história e ela lhe dará admiráveis exemplos de políticos que fizeram da política uma oportunidade de servir à coletividade, e jamais de se locupletar com vantagens ou com dinheiro publico.
Mas, o grande fiscal dos políticos é o povo. Se este se degrada termina votando em Barrabás, ao invés de Jesus...
O AUTOR
Carlos Romero é escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras e tem a crônica como forma literária favorita. Um estilo no qual retrata com forte dose de lirismo e humor suas sensíveis observações acerca do cotidiano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário