Sim, os bondes...


Há muito tempo que eles foram arrancados dos trilhos da capital e jogados fora. Não ficou nem um exemplar para a História... Mas, como nem tudo se acaba na vida, graças à memória esses veículos ainda continuam rolando pela nossa cidade.
Para os que não sabem, os bondes correram aqui por muitos anos, bem servindo à população. Seguro, limpo, de fácil acesso, elegante, o bonde chegou a ser a imagem da nossa antiga capital. E os seus trilhos chegavam aos mais distantes bairros: Tambiá, Trincheiras. Oitizeiro, Cruz das Armas, e o Comércio, também chamado Varadouro. Quase ninguém procurava o carro de aluguel, que ficava lá na praça do relógio, no Ponto de Cem Réis.
O gostoso mesmo era pegar o bonde, que podia ser com ele parado ou em movimento. E conta–se que uma dama - por sinal muito elegante – achou de pegar o veículo em movimento. E, ao conseguir, gritou: ”Peguei-te!”, num tom de vitória, e todo mundo aplaudiu–a. Com esse nome - “Pegueite” - ela ficou sendo apelidada. Pegueite era professora e muito querida.
O bonde era utilizado por ricos e pobres. Muita gente importante, da elite, nas mais variadas idades, não queria outro transporte.
E nele muito namoro terminou em casamento, a exemplo do nosso arquiteto Clodoaldo Gouveia, meu sogro, que no bonde encontrou a sua cara metade. Transporte seguro, tranquilo, limpo, sem fumaça para poluir o ar, o bonde, não sei qual a razão, foi abandonado e seus trilhos enterrados. Ao passo que, ainda hoje, modernas metrópoles, a exemplo de Amsterdam, São Francisco, Zurich, Strasbourg, Munique, e muitas outras que visitei, os bondes são importantes transportes urbanos. E que elegantes eles são!
Rapidez, segurança, o bonde lembra o metrô, outro que dá vontade de você entrar nele e não sair mais, desde que não esteja superlotado...
Os bondes da nossa capital. Como eram belos! Até no bairro Santa Júlia tinha linha de bonde. E ao que soube, havia um senhor, que tinha, ali, uma bodega. Pois bem, todo mundo, a todo momento, estava indagando para que lado estava o bonde? O homem terminou não aguentando mais, e colocou na bodega o seguinte aviso: “Não se sabe para que lado está o bonde”.
Agora é hora de perguntar: Onde estão os bondes? Por que os alijaram do nosso cotidiano?...
O AUTOR
Carlos Romero é escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras e tem a crônica como forma literária favorita. Um estilo no qual retrata com forte dose de lirismo e humor suas sensíveis observações acerca do cotidiano.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário