O discurso da rainha



Desde cedo que Alaurinda dizia: “hoje não há quem me faça perder a abertura das Olimpíadas de Londres”. Só o violino é que ficou sentindo a ausência de seus dedos e de seu queixo.
Ah, Londres, como a gente gosta dela! Lembro que na última visita que lhe fizemos, há poucos meses, já sentíamos a atmosfera de ansiedade pelas Olimpíadas. Fomos até visitar o Parque Olímpico, já em fase de acabamento para o monumental evento. Coisa de espantar. Uma obra de gigantes. Andamos pelo shopping Westfield, de cujo terraço avistávamos os estádios, bem perto. Muita coisa para dois olhos.
Passou a manhã, e Alaurinda, já com um pacote de pipoca na mão, foi me chamando para ver o extraordinário evento, que custou a bagatela de 12 bilhões de euros. Uma quantia que, segundo a estimativa do meu filho arquiteto Germano, acostumado a cálculos, daria para comprar todos os apartamentos da orla marítima de João Pessoa...
Mas esqueçamos os gastos, e vejamos os gostos. Uma maravilha de espetáculo. Sobretudo pelos recursos tecnológicos. E ali vimos como é grande o mundo. Países que a gente nem pensa que existissem, estavam lá, desfilando com muita alegria. Não resta dúvida que os jogos olímpicos, inventados pelo gregos, são uma verdadeira festa de confraternização humana.
Meu maior interesse, porém, era ver a Rainha, que, ao que se diz, reina, mas não governa. Pouco importa. Uma multidão de gente, e eu não sei como sua Majestade suportava tanto aperto. Evidente que ela estava ansiosa para sair dali. Ela que vive o tempo todo no silêncio de seu luxuoso palácio. E haja desfile.
E quer saber de uma coisa? A festa das Olimpíadas deveria ter sido melhor. Não gostei muito da parte musical. Fiquei pensando: bem que caberia, ali, o final da Nona de Beethoven, esse extraordinário canto de solidariedade universal. Ou pelo menos a “Pompa” do inglês Elgar. Mas, ao que tudo indica, a música dos Beatles ainda é um grande símbolo britânico.
Continuemos a crônica. Meu grande desejo era ouvir o discurso da Rainha. Mas, pouparam-na desse encargo. O desfile terminou, com Sua Majestade lendo duas palavras num papelzinho. Não aparentando muito animada, Elizabeth deve ter dado graças a Deus quando a festa terminou. Se ao menos a nossa Dilma estivesse perto dela...
Patrono do Blog
Carlos Romero (1923-2019), escritor, jornalista, membro da Academia Paraibana de Letras.
RECOMENDE AOS SEUS AMIGOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 comentários

Postar um comentário

Deixe o seu comentário